Share Button

– O Legado da Era 8-Bit!Expoente máximo do Master System, Alex Kidd marcou uma geração de jogadores e se conservou na memória de todos os que já passaram horas se divertindo com o sistema 8-bit da Sega. Relembre um dos maiores sucessos do SMS em nossa análise. –

Antes mesmo do surgimento de qualquer ouriço supersônico, quando certo “hedgehog” azul sequer sonhava em emergir dos sonhos de Yuji Naka — lá pelos fins da década de 1980 — a Sega possuía outro mascote que tentava representa-la de forma simples no mercado de videogames. Alex Kidd, que aparecia pela primeira vez num game em 1986, é um dos personagens mais memoráveis e célebres da década de 1980. Relembrar jogos dessa época com certeza gera aquele inevitável sentimento afetuoso por coisas distantes, aquela nostalgia suave, um pesar pela ausência desses grandes games do passado — acompanhado, claro, de um sincero desejo de torná-los a jogar.

Em 1990, a Sega deixava para trás um de seus maiores ícones em favor do nascimento de um novo mascote — nesse ano, Alex Kidd cedia seu lugar a Sonic The Hedgehog. O ouriço supersônico, a bem da verdade, conseguiu cumprir a função de mascote de forma bem melhor que seu predecessor (é só olhar a fama dos games do Sonic no Mega Drive). Com o fim do Mega Drive, Alex separou-se de vez dos planos da Sega, e (para a tristeza de alguns) nunca mais foi visto em um novo game. No entanto, mesmo hoje com o abandono definitivo de Alex Kidd (e não pensem em vê-lo novamente tão cedo, rapazes), o antigo mascote insiste em se conservar na memória de todos os que já tiveram o prazer de se divertir com o videogame 8-bit da Sega.

Em todo o mundo, o jogo mais popular, estimado e apreciado da série sem dúvida é o Alex Kidd in Miracle World — que nos propomos a avaliar aqui –, especialmente porque ele foi o título mais largamente distribuído, uma vez que vinha incluso no pacote com o Sega Master System II. Aqui no Brasil, por causa do excelente sustento dado pela Tec Toy, Alex também goza de bastante popularidade entre os jogadores veteranos.

Aproveitando a nostalgia, vamos relembrar os tempos do Master System e trazer a memória um dos mais clássicos jogos de plataforma de todos os tempos. Vamos rememorar o “mundo prodigioso” de Alex Kidd no saudoso Master System.

A Originalidade de Alex

Antes de qualquer coisa, na função de analistas dos jogos, cabe-nos tornar o leitor ciente de que Alex Kidd in Miracle World foi um jogo de plataforma que (apesar do que se pode pensar a princípio) NÃO tentou imitar nenhum outro do gênero, não tomava nada como modelo. Pelo contrário, ao invés de simplesmente tentar reproduzir outras pérolas do gênero (como o famoso Mario), Alex tinha padrões de jogabilidade diferentes, power ups únicos e estilos de fase com qualidades próprias. Os designers da Sega não tentaram escapar à mediocridade: fizeram o possível para criar um jogo com um estilo particular e agraciar os donos de Master System com algo realmente novo e divertido.

 

O mapa dava uma visão de todo o caminho a ser percorrido no game. No papel do príncipe Alex, sua missão era chegar até o castelo e derrotar o vilão Janken The Great. Primeira fase do game (Mt. Eternal). A montagem gráfica era bem simples, mas o jogo tinha uma variedade de cores que, para a época, era de encher os olhos!

 

Na loja, você podia comprar alguns itens e power ups muito legais e de utilidade variada. A moto, por exemplo, era um dos itens mais legais do jogo! Era muito legal quebrar as pedrinhas e atropelar os sapos!

 

 

Diferente do que se via na maioria dos jogos de plataforma, em Alex Kidd in Miracle World você não precisava juntar estrelinhas ou anéis para ganhar uma vida extra; não havia um chefe a ser derrotado em cada fase; não se via estágios totalmente iguais e repetitivos… Pelo contrário, o jogo tinha muitos itens que adicionavam uma variedade maior de desafios, estágios e cenários bem diferenciados e (quem poderia esquecer?) um sistema de batalha bastante ousado, que não se costumava ver em nenhum outro jogo: o famoso JAN-KEN-PÔ (pedra-papel-e-tesoura).

As disputas de “pedra-papel-tesoura” eram uma marca das aventuras do monkey-like-boy. Você devia optar por pedra, papel ou tesoura antes da música terminar. Fazendo uso do item telepathy ball, era possível ler os pensamentos dos inimigos.

Logo no primeiro estágio era possível notar a qualidade única que o jogo tinha a oferecer. Ao invés de simplesmente caminhar para as laterais no percurso da fase (como acontece na maioria dos games do gênero), o primeiro estágio de Alex Kidd desafiava o jogador a descer uma perigosa montanha, cheia de rochas bloqueando passagens, monstros e obstáculos — tudo no melhor estilo de plataforma. E, para fechar de vez, Alex caía no mar e precisava superar o resto da fase nadando, enfrentando diferentes tipos de obstáculos e monstros marinhos. Diversidade: eis o grande mérito ostentado por Alex Kidd numa época em que os videogames eram muito mais simples e, do ponto de vista de qualquer nerd saudosista, mais divertidos.

Clássico do Gênero Plataforma

A plataforma lateral sempre foi o gênero mais comum e explorado na época dos videogames de 8-bits. Prova disso é que tanto o NES quanto o Master System tinham uma jogoteca cheia de games desse gênero. Nessas condições, não é difícil concluir que — para dar origem a um game original dentro desse mar de títulos de plataforma — era necessário fazer uso daquela boa e velha ferramenta do mercado de jogos: a criatividade (hoje um pouco esquecida e deixada de lado por alguns…).

Dentro desse encontro de idéias, vamos falar um pouco sobre as características gerais do game.

Os tipos de fase do game possuíam uma diversidade interessante para a época. Havia até mesmo estágios submersos em que você precisava atravessar nadando e enfrentando peixes e monstros marinhos… … não se pode esquecer também do eterno Peticoper: tomando bastante cuidado para não bater, você podia juntar vários saquinhos de dinheiro.

As fases obviamente iam apresentando uma dificuldade gradual na medida em que você avançava. Na imagem acima, Alex adentrando o palácio de Radactian…
Ei!, vejam isso! Ali embaixo! Aquele é o irmão de Alex Kidd atrás das grades! Nessa imagem, Alex entrando no castelo de Janken. Hora de acertar as contas com o último chefe num duelo de machos: pedra-papel-tesoura!

Rochas obstruindo o caminho, incontáveis saquinhos de dinheiro “parados” no ar, monstrinhos que ficavam voando inocentemente “pra-lá-e-pra-cá”… Esse era o aspecto geral que dava forma ao game. Em Miracle World, os power ups eram geralmente adquiridos em lojinhas que ficavam no início ou no meio das fases. Para comprá-los, você precisava juntar o máximo possível dos saquinhos de dinheiro que ficavam espalhados pelas fases. Havia também — além das pedras que tapavam o caminho — algumas caixas com diferentes tipos de itens e power ups escondidos, ou com coisas para atrapalhar seu avanço (como aquela caixa/rocha com uma caveira — se você encostar-se a ela, um fantasma virá atrás de você).

Outro dos chefes que ninguém nunca esquecerá: o urso azul com aquela espada gigante… Realmente, para a época em que fora lançado, alguns estágios de Alex Kidd tinham uma variedade muito interessante e criativa. Um belo exemplo disso, Alex usando um “hoverboat” na imagem acima.

Como em todo clássico de plataforma que se preza, os monstrinhos (apesar de ficarem executando movimentos simples e repetitivos) eram colocados em locais estratégicos das fases para atrapalhar a sua vida. O número de obstáculos, fossos com espinhos, plataformas móveis, buracos com lava borbulhante etc. também tornavam alguns estágios do game bastante difíceis, e era exigido do jogador um pouco de agilidade e bastante treino (eu, por exemplo, apanhava bastante no início).

Aventuras do Garoto-Macaco

A história de Alex Kidd se desenrola no Planeta Aries. Você, no papel do monkey-like-hero, é o príncipe do próspero reino de Radactian. Quando deixava a Montanha Eternal (primeira fase do game) para voltar à sua terra natal, Alex encontra um homem à beira da morte. Ele conta que o Reino de Radactian corre um sério risco. Após dizer isso, o homem morre sem dar maiores detalhes. Todas as pistas que Alex Kidd possui são um medalhão feito da Pedra Sol e um pedaço rasgado de um mapa.

Na verdade, seu reino havia sido conquistado pelo vilão Janken The Great, que ordenou a prisão do irmão do príncipe Alex. Agora, cabe ao garoto com feições de macaco retornar ao reino de Radactian, derrotar o vilão Janken e restituir novamente a paz a seu reino.

O velhote relatava a Alex qual era sua verdadeira missão: voltar para seu reino e acabar com a tirania de Janken The Great. Na imagem acima, um estágio em uma caverna (não tente bater naquela bolinha de fogo). A característica maior do jogo era a existência de vários blocos de pedra que Alex devia destruir com seus punhos.
Um dos chefes do jogo. Esse até que era bem fácil de derrotar. Porém, eis uma fase difícil…

A qualidade gráfica do game não ficava atrás do que normalmente era exigido para a época — os cenários eram muito bem detalhados e coloridos o bastante pra ninguém botar defeito. A qualidade sonora era muito boa (lembrando que o hardware do Master System era superior ao do NES). Na verdade, havia pouquíssimas músicas para animar o jogo, mas para simples efeito nostálgico, as músicas são sempre muito legais de ouvir — você não vai se incomodar ao ouvir aquela mesma musiquinha depois da décima fase (a nostalgia sempre fala mais alto).

O Clássico que Deixou Saudades

Embora, na opinião da maioria, Alex não tenha o mesmo carisma, o mesmo “dom e graça”, ou a tão falada “atitude” de Maio e Sonic, ele certamente representou um sinal figurativo e simbólico dos videogames (atire a primeira pedra quem discorda!). Mais do que personagem de um jogo divertido, que tão bem entretinha e dissuadia o jogador, Alex Kidd tinha qualidades marcantes; foi um ícone que legou às gerações futuras a maneira mais pura e genuína de se fazer um bom game de plataforma lateral — ele tornou-se parte integrante da infância de alguns.

O Master System é realmente um console inesquecível. Aqui no Brasil, chegou a vender mais que o NES por causa do excelente suporte da Tec Toy. Na imagem acima, além de Alex Kidd, vemos alguns outros ícones inesquecíveis do console: Altered Beast, Shinobi, Space Harrier etc.