Share Button

Jogos de Skate passaram por maus bocados nas últimas duas gerações. Foram vários os títulos que decepcionaram – estou olhando para você, Tony Hawk’s Pro Skater 5 – e um período longo sem jogos relevantes pelo descrédito das distribuidoras com o gênero.

A Vicarious Visions, o estúdio mais promissor da Activision, topou o desafio de trazer a série Tony Hawk’s Pro Skater de volta e dar uma nova chance ao gênero. Com um remake dos dois primeiros jogos em uma coletânea nostálgica, bela e divertidíssima, acertaram em cheio e uma nova era para o Skate nos vídeo games parece ter começado.

Jogabilidade ágil e divertida

Os magos da Vicarious Visions gostam de chamar seus jogos de Remasters, mas na verdade são refeitos do zero e com muita qualidade, como vimos por exemplo com a série Crash Bandicoot. Aqui em Tony Hawk’s o cuidado é na mesma medida e enquanto a nostalgia é preservada, os gráficos e a jogabilidade são refinados ao extremo.

Na parte gráfica, nada aqui é muito acima da média na geração, mas é bonito o suficiente para chamar a atenção em alguns momentos e estilizado o bastante para dar a sensação de modernidade que os títulos originais precisavam.

Já na jogabilidade, os primeiros minutos no Tony Hawk’s Pro Skater 1+2 já mostram para o jogador algumas das mudanças em relação ao original. Em um tutorial muito bem executado e que recomendo para todos que forem jogar o título, o jogo explica como fazer os diferentes tipos de manobra e como conectá-las em combos insanos. É ai que começam as diferenças. Os “Manuals”, presentes no THPS 2 e mesmo os “Reverts”, presentes no THPS 3, foram incorporados na jogabilidade de ambos os jogos refeitos, aparentemente a pedido do próprio Tony Hawk.

O resultado dessa adição é uma jogabilidade muito mais fluida e combos com um número bem maior de manobras, sem as enrolações de outros jogos deste estilo, nem a sensação de controles datados do Tony Hawk’s original. A Vicarious Visions fez o balanceamento da pontuação de forma bem competente, então mesmo com essas “facilidades” adicionadas nas conexões de manobras, bater os recordes de cada fase é difícil e exige dedicação do jogador.

Cada um dos jogos do pacote conta com 9 pistas para serem desbloqueadas com os clássicos desafios do passado. Encontrar a fita escondida da fase, formar a palavra Skate, quebrar recordes de pontos e outros desafios mais exóticos estão presentes para proporcionar dezenas de horas de diversão para novatos e veteranos divididas em doses de dois minutos em cada pista.

Além dos dois jogos originais refeitos, ainda há o modo de edição de pistas, que conta com várias fases feitas para própria Vicarious Visions, além de desafios extras para dar ainda mais sobrevida ao jogo. Some tudo isso com os vários desafios presentes no menu para serem completados e você ficará semanas sem conseguir parar de jogar.

Elenco recheado de lendas

O elenco de skatistas presentes no Tony Hawk’s Pro Skater 1+2 é de respeito. Lendas do passado, como o brasileiro Bob Burnquist e o icônico Chad Muska, se juntam a nomes atuais como Leticia Bufoni para dar um leque enorme de personagens para o jogador escolher. São 21 opções de atletas – cada um com atributos próprios – e mais alguns desbloqueáveis, como o ator Jack Black no papel de Officer Dick.

Também é possível criar o seu próprio skatista do zero, o que na real é um dos grandes baratos na hora de jogar. A quantidade de elementos para serem customizados é enorme, incluindo cabelo, rosto, passando por tatuagens, arte nos shapes do Skate e até mesmo roupas e tênis.

Com uma loja disponível no menu, há ainda uma infinidade de cosméticos para comprar e liberar, tudo dentro do próprio jogo, sem a presença de micro transações, o que sempre é bom ressaltar e parabenizar.

Flips com os amigos

O cuidado com o multiplayer neste remake também foi exemplar. No modo online é possível competir em diversas pistas para desafios de combos e pontuação. Sem colisões em outros personagens, você e os outros adversários competem por pontuações insanas. O lado negativo é que várias fases já contam com bugs em locais específicos que permitem abusar do sistema de pontuação, o que deixa o ranking global sem graça.

Para quem prefere a diversão com os amigos no modo local, também é possível jogar com a tela dividida em competições que vão fazer o seu rolê do fim de semana bem mais competitivo.

Trilha sonora nostálgica

Um dos grandes baratos da série Tony Hawk sempre foi a trilha sonora. Toda uma geração foi impactada pelas músicas que estavam presentes nos primeiros jogos, com gigantes como Rage Against The Machine, Dead Kennedys, Goldfinger e muito mais. Todas essas músicas dos primeiros jogos estão presentes aqui, mas não para por aí.

Novas bandas também foram adicionadas e há até mesmo uma música da banda brasileira Charlie Brown Jr, cujos membros sempre tiveram uma ligação muito forte com o skate, principalmente o vocalista, Chorão. Confisco foi a faixa escolhida para representar a banda e toca em várias pistas durante o jogo.

Além de uma música nacional, o jogo também conta com localização completa em português brasileiro, sendo este um ponto extra para quem vai comprar o jogo por aqui.

Conclusão

Tony Hawk’s Pro Skater 1 +2 é exatamente aquilo que este gênero precisava. Um jogo com foco nas origens, apresentando gráficos modernos e uma jogabilidade extremamente refinada. As pequenas mudanças são para lá de positivas e vão fazer a galera ficar ligada no game por muito tempo. A trilha sonora é impecável e a adição da música Confisco, do Charlie Brown Jr., é um presente para os brasileiros e que agrega ainda mais ao pacote. Some isso à localização em português brasileiro e o jogo fica praticamente imperdível para quem é amante dos originais.

Prós

  • Trilha sonora nostálgica
  • Jogabilidade refinada e fluida
  • Customização de personagem
  • Multiplayer acessível e bem executado
  • Tutorial muito bem feito

Contras

  • Várias fases possuem bugs que podem ser usados para afetar o sistema de pontuação online

Nota: 9,0

Uma cópia do jogo para PS4 foi fornecida pela Activision para elaboração desta análise