Share Button

Assassin’s Creed Origins é o 10º jogo da franquia principal e o 18º título a ser lançado desde 2007. Presente em praticamente todas as plataformas e com mais de um jogo sendo lançado por ano, para muitos, a série estava desgastada. Origins veio para mostrar que Assassin’s Creed continua com o brilho e fôlego da era Ezio, apresentando Bayek, o protagonista forte que a história merecia. Confira agora nossa análise deste game que está disponível para PC, PS4 e Xbox One.

Seja bem vindo ao Egito.

Através da pesquisadora da Abstergo Layla Hassan você revive as memórias Bayek, o protetor (Medjay) de Siwa. A história começa após o isolamento de nosso herói, que junto de sua esposa, Aya, busca justiça pela morte do único filho do casal. Bayek persegue os 5 homens mascarados responsáveis pela tragédia, que ameaçaram sua vida e a de seu filho enquanto procuravam respostas sobre um globo misterioso.

O casal se envolverá em questões políticas que ocorrem durante o governo de Ptolomeu XIII e são justamente estes eventos que levarão ao surgimento da primeira Ordem dos Assassinos.

Compre, aprimore e crie novos itens e acessórios para seu personagem.

Origins é a maior mudança na série desde Assassin’s Creed II. O jogo foi totalmente reformulado, se distanciando de seus antecessores, tanto em layout como em mecânica, estando muito mais próximo de jogos de mundo aberto da atualidade, como The Witcher 3 e The Elder Scrolls Online, por exemplo. Agora é possível evoluir o personagem como um todo, aprimorando suas armas, criando novos acessórios através de recursos coletados, trocar a vestimenta, melhorar sua montaria, etc. Há também uma arvore de habilidades que acrescenta novos recursos e incrementa alguns já existentes, deixando seu personagem muito mais preparado para das batalhas.

Árvore de habilidades.

O estilo de combate também evoluiu. O game segue um modelo similar ao visto em outro popular jogo da Ubisoft, o For Honor. Agora se tem mais liberdade para movimentar o personagem durante as lutas, ao passo que também é necessário ter uma maior atenção e respostas rápidas aos ataques, por isso, defender, se esquivar e saber a hora certa de dar o contra-ataque é fundamental para sair vitorioso.

Senu são os olhos de Bayek no céu e localiza os objetivos para ele.

As missões são divididas em principais e secundárias, e ambas, na maioria das vezes são curtas, seguindo o modelo: chegar ao objetivo – enfrentar a horda inimiga – eliminar o alvo e/ou conquistar alguma informação. Diga-se de passagem, as missões secundárias têm um grande diferencial em Origins, graças a riqueza que carregam em suas histórias, que compõem muito bem o contexto do jogo e muitas vezes passam informações culturais daquela época para o jogador, sendo assim, as missões secundárias são muito mais do que apenas uma ponte para arrecadar dinheiro e experiência.

A riqueza em detalhes impressiona.

Os gráficos estão magníficos. A Ubisoft se preocupou em tornar a geografia local o mais realista possível. Nota-se o ambiente mudando gradativamente ao atravessar de uma cidade para outra, as dunas do deserto contrastam com terrenos áridos e repletos de rochedos. Já as cidades são ricas em detalhes, buscando representar de maneira fiel locais icônicos da história. O mesmo cuidado ocorre nos personagens. Os rostos são bem modelados e as roupas e armaduras esbanjam ornamentos, e muitas variações de vestimenta são vistas ao longo do jogo.

As missões principais e secundárias são igualmente interessantes.

Com mais de 40 horas de conteúdo, o novo Assassin’s Creed é uma experiência renovada que dá gás a uma das franquias mais amadas dos games. A trama retrata muito bem os conflitos étnico-culturais do período, ao mesmo tempo que foca em encaixar neste contexto a origem dos Assassinos. Com um novo sistema de batalha e evolução, Origins é atualização que a saga mereceria para a atual geração de consoles e PC.

Compre Assassin’s Creed Origins para PC no Gamers Gate clicando aqui.