Curiosidades

Bastidores | Final Fantasy IV: A ideia original dele se tornou o Secret of Mana

A ideia é ser o "Final Fantasy supremo"

O Final Fantasy IV começou a ser desenvolvido logo após a conclusão do III para o Nintendinho e, originalmente, ele seria lançado também para o console 8 bits da Big N.

Quando o projeto migrou para o, até então, novo console da empresa, eles começaram a imaginar um jogo que fosse mais focado em ação, que tivesse um mapa do mundo mais dinâmico e que o combate não seria feito em uma tela separada.

No entanto, as ideias estavam se distanciando demais do que viria a ser um “Final Fantasy”, então a equipe de produção decidiu que elas seriam aproveitadas em um game inédito, que veio a dar origem ao Secret of Mana, ou Seiken Densetsu 2 no Japão.

A ideia original era que este fosse o “Final Fantasy supremo”, pegando todos os melhores elementos dos três jogos anteriores e “turbinando-os” para uma experiência épica, se aproveitando também do poder maior do novo console. Por isso, o título tem uma história bastante elaborada, mesmo quando comparado aos jogos de RPG que vieram posteriormente no console.

Curiosamente, o responsável pelo roteiro foi Takashi Tokita, que disse em entrevistas posteriores que, devido as limitações técnicas do SNES, teve que cortar a história planejada para 1/4 . Alguns elementos originalmente planejados acabaram “voltando a vida” no remake para o Nintendo DS, em especial o passado de Golbez e Cecil.

Além disso, os desenvolvedores queriam que o game se aproximasse ao máximo de um filme e menos de um jogo e, por isso, o game conta com diversas cenas não interativas e possui uma trama bastante dramática. Além disso, o sistema de batalha passou a ser o “Active Time Battle”, que em jogos futuros seria representado por uma barrinha, já que o desenvolvedor Hiroyuki Ito achava que as batalhas em turnos estavam ficando ultrapassadas na época e que, ao longo do tempo, elas seriam feitas em tempo real.

Para este game, os desenvolvedores quiseram colocar um estilo mais realista para as batalhas e, dependendo da magia ou invocação feita, os personagens poderiam demorar quase nada para invocá-las, ou poderia durar bastante tempo. No entanto, o game seguinte voltou a ter o comando mais automatizado para que os ataques físicos e mágicos fossem feitos ao mesmo tempo.

Final Fantasy IV: A ideia original dele se tornou o Secret of Mana | Bastidores
Reprodução

O lançamento original japonês contava com um nível de dificuldade bastante elevado mesmo para os padrões dos asiáticos da época (!). Por essa razão, a Squaresoft acabou lançando o “Final Fantasy IV Easy Type” que, ao contrário do muitos pensam, não se trata do jogo lançado nos EUA, que facilitou ainda mais quando comparado a este. Além disso, eles também simplificaram alguns textos para que as crianças japonesas entendessem com mais facilidade a história, barateando o preço dos equipamentos e exigindo menos para que os jogadores evoluíssem os personagens. Curiosamente, o último chefe, Zeromus, ganhou um novo design.

Já nos Estados Unidos, o game foi renomeado para Final Fantasy II, pois só o primeiro tinha chegado “por essas bandas”. O game ficou notoriamente conhecido pela tradução de má qualidade feita por Ted Woolsey, com textos com erros gramaticais e até mesmo comprometendo o entendimento da história, quando em determinado momento chamam o personagem Tellah de “pai do Edward”, quando na verdade era sogro, só para citar um exemplo.

Além disso, para o game se adequar as políticas da Nintendo dos EUA tirou referências religiosas e as cenas de violência e morte foram suavizadas, assim como vários nomes foram adaptados.

Considerado um clássico do Super Nintendo, o game recebeu notas positivas e vendeu 1.44 milhões de cópias somente no Japão. Curiosamente, informações das revistas da época apontam que o lançamento americano não fez o sucesso esperado, o que talvez tenha contribuído para que os ocidentais demorassem a ter acesso a sua sequência, Final Fantasy V.

Artigos relacionados