Share Button

A indústria dos jogos está com tudo. De acordo com os números revelados em 9 de abril pela Interactive Software Federation of Europe (ISFE), entidade que compila dados de vendas para a indústria dos videogames sobre o velho continente, teriam sido vendidos, durante a semana de 16 a 22 de março, na zona européia, Oriente Médio e África, nada menos que 2,74 milhões de games em formato digital, sendo 53% a mais que a semana precedente. Na Itália, o crescimento é ainda mais impressionante, 175%. A venda de jogos físicos não fica atrás, com 1,82 milhão de unidades comercializadas, uma alta de 82% (+218% no Reino Unido).

Enquanto que em 2019 o setor lucrou mais de 150 bilhões de dólares, o ano de 2020 se mostra excelente devido ao Covid-19 e ao confinamento generalizado. As vendas de consoles cresceram 84% na Itália durante a semana que se seguiu ao confinamento, segundo a ISFE. Na França, o efeito do confinamento é ainda mais claro: crescimento de 140% nos dias após as medidas de restrição.

O lançamento de dois jogos muito aguardados, Animal Crossing: New Horizons e Doom Eternal, igualmente contribuíram à euforia do setor. Call of Duty também foi destaque, com nada menos que 50 milhões de downloads em um mês. A isso tudo se soma a oferta de jogos propostos gratuitamente (de maneira temporária) pela plataforma Stadia, de propriedade do Google.

Os jogos para celulares também deram sua contribuição. De acordo com dados estatísticos do aplicativo Annie, observatório de referência sobre dados econômicos de aplicativos, o número semanal de downloads teve sua alta histórica em nível mundial, com 1,2 bilhão até o fim de março, contra uma média de no máximo 750 milhões no início de janeiro, o que representa um crescimento de 60%.

Atualmente, os videogames atraem tanto novos jogadores, ávidos por novidades, como àqueles antigos que querem reviver as boas lembranças do passado. Acessíveis de forma digital, os videogames nem exigem mais que os jogadores saiam de casa para os comprar. Considerando-se a riqueza dos catálogos, de jogos de guerra a quebra-cabeça, passando por títulos realmente esportivos, que fazem suar, os videogames atuais atingem todo tipo de público.

Vendas de consoles também se beneficiam da Covid-19

Entre os dias 16 e 22 de março, as vendas de consoles saltaram 155%, com 259,169 aparelhos vendidos por todo continente europeu. Todos os consoles da atual geração, Nintendo Switch, PlayStation 4 Xbox One apresentaram ganhos significativos. Por sinal, nos Estados Unidos, os distribuidores estão em ruptura de estoque do console mais popular do momento, o Nintendo Switch. Por outro lado, o gigante americano de telecomunicações Verizon constatou um aumento do tráfego ligado a jogos online de até 75% em sua rede. E a plataforma de venda de jogos digitais Steam bateu recorde de visitas no mês de março.

Voltando à Europa, durante a primeira semana de confinamento na Itália, as vendas de consoles saltaram 84%. Na segunda semana, as vendas caíram ligeiramente, apenas 1,8%. Na Espanha, entre 9 e 15 de março, quando o período de confinamento começou, as vendas aumentaram 27,7%. Na semana seguinte, cresceram novamente em 66,1%

Durante o início do período de confinamento na França, vendas de consoles subiram 140,6% de semana em semana. Também houve um aumento de vendas de consoles de 17% na última semana em comparação a semana anterior.

Em termos de países praticando distanciamento social, possivelmente em preparação para passar mais tempo dentro de casa, as vendas de aparelhos subiram ainda mais. No Reino Unido, entre 9 e 15 de março, as vendas de consoles cresceram 126,6% e então na semana seguinte cresceram 250%. Na Austrália, as vendas de consoles aumentaram 19,6% no mesmo período de 9 a 15 de março, com aumento de 285,6% na semana seguinte.

O aumento de vendas de consoles nas últimas duas semanas de março foi tal que o mercado de consoles praticamente se recuperou da acentuada queda de vendas ocorrida durante os dois primeiros meses do ano. Isso sugere que agora temos um maior número de donos de consoles como resultado do confinamento do Coronavírus.