GamesNotícias

Days Gone 2 foi recusado porque a Sony não tem o dinheiro da Microsoft para gastar, diz diretor

Jeff Ross, diretor de Days Gone e que atualmente está trabalhando na NetherRealm Studios, responsável pelas franquias Mortal Kombat e Injustice, revelou algumas informações interessantes envolvendo a Sony.

Depois que a Sony supostamente recusou a ideia de desenvolver Days Gone 2, Ross disse durante um bate-papo com David Jaffe, criador de God of War, que a proposta para o jogo foi recusada pois a Sony não tem dinheiro para isso.

Ross explicou (via Eurogamer) que o orçamento de Days Gone ultrapassou em muito aquele que foi apresentado inicialmente e que Days Gone 2 custaria muito mais para ser desenvolvido. Junto com o crescimento da equipe, que foi de 45 para 120 pessoas, o investimento também implicou que seria necessário que o jogo vendesse um determinado número de unidades recuperar o investimento e, assim, a Sony ter dinheiro para financiar o próximo projeto.

Ele também explicou que os fãs precisam entender que a Sony não tem o dinheiro da Microsoft para gastar e que luta para sobreviver a cada nova geração, então precisa escolher bem os projetos que vai apoiar, já que o sucesso de um jogo financia o desenvolvimento daquele que virá em seguida.

“O retorno do investimento para jogos que precisam vender 4 ou 5 milhões de cópias para recuperar os gastos, é preciso haver confiança no retorno, uma vez que a Sony não tem o dinheiro que a Microsoft tem e precisa usar o que tem de forma muito inteligente e permanecer focada num catálogo diversificado,” disse Ross.

“Para a Sony, cada geração envolve sobrevivência. Nunca tiveram bastante dinheiro, precisam ser inteligentes. Acredito que os fãs devem compreender isso antes de começarem a insultá-la,” explicou Ross, deixando claro que na opinião dele a Sony possui recursos para gastar apenas em um determinado número de jogos AAA.

“Se agora apenas podem financiar um número limitado desses jogos, penso que é compreensível. Infelizmente, para a Sony, criaram o seu nome nos últimos 10 anos com estes jogos single player super polidos e emocionalmente cativantes e vendem muito bem e fazem muito dinheiro. Mas eles não trazem o mesmo dinheiro de Fortnite por meio de fontes renováveis, por isso precisam ter cuidado.”

Adicionalmente no bate-papo, David Jaffe disse acreditar que a Sony deverá fazer bem menos jogos nesta geração por causa dos custos envolvidos, que aumentam a cada novo ciclo de consoles. Ele também acha que a Sony precisará fazer algo para concorrer com o Game Pass, pois crê que o serviço ficará ainda maior com o passar da geração.

Além disso, tanto Jaffe quanto Ross acham que o presidente da Sony Interactive Entertainment, Jim Ryan, desistiu de apoiar o próximo jogo de Hideo Kojima, já que Death Stranding não obteve o sucesso esperado, o que supostamente teria levado Kojima a procurar a Microsoft.

Artigos relacionados