Share Button

Colaboração de Marcus Vinícius.

Passando rapidamente pelos stands da São Paulo Game Show, me deparei com um desconhecido, mas sua apresentação, e atenção aos convidados me deixou realmente satisfeito. O nome da empresa? Global Games. O Jogo? Conquest Online.

Após uma rápida apresentação, conheci o Felipe. Nada mais nada menos que um dos diretores responsáveis por trazer este fantástico jogo ao Brasil, e em meio a muita descontração, nós fizemos um bate-bola sobre a empresa e sobre o Conquest Online.

GH: Olá Felipe, que tal se apresentar para nossos leitores e seguidores e contar um pouco de você e da empresa na qual você atua?

Felipe: Meu nome é Felipe de Campos, tenho 22 anos, e sou um autêntico gamer. Minha formação é na área informática de uma forma geral, desde a infraestrutura dos servidores utilizados, até no desenvolvimento do site. O projeto “Global Games” surgiu cerca de 5 anos atrás, quando eu era um jogador viciado em “Conquer Online” (nome da versão global do Conquest).

Naquele tempo, eu tinha muita dificuldade para obter suporte da publisher, e o ping do jogo tornava o PVP injusto, ao disputar contra os gringos. E sempre foi meu sonho, ajudar a trazer esse jogo ao Brasil. Algum tempo depois disso, esbarrei com outra dificuldade. Para comprar o cash do jogo era muito difícil, já que poucos brasileiros conseguem entender inglês, e possuem cartão de crédito internacional, para realizar todos os procedimentos.

Vendo tal dificuldade, eu entrei em contato com a TQ Digital (publisher da versão global do jogo), e me ofereci para criar um canal de vendas do produto deles, para atender os brasileiros que tinham dificuldade. Mas não me deram atenção naquele momento. Mesmo assim, decidir fazer algo, e passei a comprar o cash diretamente deles, e criei um site, para disponibilizá-lo para os brasileiros, para que pudessem utilizar formas de pagamento mais amigáveis para adquirir o produto.

A idéia deu certo, e em pouco tempo eles vieram me procurar, querendo saber pra que motivo eu comprava tanto dos produtos deles, e ao saber o que acontecia, me passaram o contato da diretoria da empresa, onde finalmente fui bem recepcionado. Consegui um contrato de distribuição, meu nome já aparecia nas opções de pagamento do site oficial, e finalmente passei a ter algum lucro na operação.

GH: Certo, e daí para a empresa realmente alçar voo, como aconteceu?

Felipe: No fim de 2008 a empresa foi oficialmente aberta, mas até alí meu sonho ainda não havia sido alcançado. O que eu queria mesmo era trazer o jogo pro Brasil, e como eu já tinha o contato da diretoria, resolvi perguntar o que eu tinha de fazer pra realizar meu sonho. A resposta me deixou sem ar, principalmente ao saber que a taxa de licenciamento, e garantia mínima, tinham valores astronômicos e que a publisher não tinha interesse em vender a licença já que esse jogo é o carro-chefe da TQ.

Apesar de já existir várias versões nacionalizadas ao redor do mundo, todas eram rodadas pela própria empresa. Também fui informado que a empresa não via futuro no Brasil, a ponto de abrir por conta própria, um servidor aqui no país. Um ano se passou, e ao ver os resultados da nossa parceria até aquele momento, a conversa mudou um pouco, e eles decidiram abrir uma exceção e me vender a licença, já que tínhamos feito um bom trabalho até aquele momento. Estruturamos, compramos a licença, e o sonho virou realidade.

O Conquest foi 100% traduzido e adaptado para o português. E após quase 1 ano entre tradução e testes, o closed beta começará em breve. Hoje nossa prioridade é focar na satisfação do jogador desde a qualidade do jogo propriamente dita, até o atendimento, que eram minhas maiores dificuldades, enquanto jogador.

GH: Então depois de toda esta empreitada de anos, o jogo chegou ao Brasil. O que os jogadores podem esperar de novidades?

Felipe: Para entrar nesse mercado, nós estudamos as deficiências dos jogadores, e para criar um diferencial, nós criamos um canal de atendimento, até então inédito entre as publishers nacionais.

O jogador conta com chat online, e telefone 4004, para sanar suas dúvidas, e resolver eventuais problemas. Além disso, nós hospedamos os servidores no melhor e mais moderno datacenter do país. Os jogadores que ainda não conhecem o Conquest, podem esperar um jogo que conta com um sistema único de PVP, onde a real habilidade do jogador é necessária para ownar os outros, e aos que já conhecem o jogo, ficarão surpresos com a diferença na qualidade de serviço da Global Games, em comparação a outras publishers. Sobre o futuro, nós temos planos de trazer outros jogos ao Brasil, já temos algo em vista. No entanto vamos observar o comportamento dos jogadores, e estabilizar nossas atividades com o Conquest primeiro. Afinal, não adianta ter quantidade sem qualidade. Gostaríamos de ouvir a opinião dos jogadores ao trazer novos jogos e seria muito bom, publicar um jogo 100% nacional. Prevemos um bom futuro quanto a isto.

GH: Qual a história do jogo? Os pontos fortes dele?

Felipe: No jogo, você é o escolhido de um dos 5 reinos, para ajudar em uma guerra interminável. E para que você possa servir pra alguma coisa, vai ter que ralar! Uma guilda forte resolveu que queria dominar o mundo, e para impor sua vontade começou uma matança. E para impedi-los, você jogador deve escolher uma classe, e lutar nesta guerra. Você começa na Cidade Dragão, principal cidade do jogo, onde os newbies treinam, e onde os principais eventos acontecem. É a única cidade protegida contra PK (NOTA: PK=Player Kill, ou seja mate quem você quiser).

Após alguns anos de guerra, a China resolveu pedir ajuda ao Japão, que por sua vez enviou ninjas assassinos, para que fosse possível treinar novos ninjas, e ajudar a pôr um fim na guerra. Esse grupo de homens e mulheres desenvolveram inúmeras habilidades durante todo esse tempo, uma delas foi a de domar cavalos, e usá-los como montaria.

GH: Quais e quantas são as classes do jogo?

Felipe: São seis classes para você escolher. Se você é do tipo sanguinário, que quer matar o inimigo de forma rápida, a sua classe é o Troiano. Eles têm uma força física absurda, mas se tudo fossem flores, só teriam troianos no jogo, né? Em contrapartida, é um dos mais difíceis de upar, e para chutar todas as bundas do jogo, você precisa ter muita habilidade no mouse. Os golpes têm no máximo meia tela de alcance, e você precisa mirar e desferir os golpes na hora certa.

Se você é mais conservador, gosta de fazer ataques físicos, mas não quer abrir mão da defesa, sua classe é o Guerreiro. Ele é bem fácil de upar, graças ao “Super Homem“, habilidade XP. Para jogar bem com ele, e detonar no PVP, você precisa saber escolher a arma, e os equipamentos certos. O Guerreiro é injustamente julgado como o mais fraco das classes, porque dificilmente alguém acerta na estratégia da classe. A prova disso, é que tivemos um campeão Guerreiro, durante os torneios realizados no SP Game Show.

Você preguiçoso, que quer ownar no PVP, sem ficar noites em claro treinando a mira, sua classe é o Taoísta de Fogo! Disparar magias poderosas na tela inteira é muito fácil, mas tudo tem seu preço. Os Taoístas usam um manto mágico, e por conta disso a defesa física deles é menor do que em todas as outras raças. Portanto se você acha que sua vida Taoísta será fácil, ficar parado disparando raios em todos a sua volta, só espera até um troiano te cortar em dois.

Já você que é um carinha da paz, gosta de ajudar os outros, e não quer ferir muita gente, sua classe é o Taoísta de Água. Quase todas as habilidades dessa classe são voltadas para o trabalho em equipe, como cura, aumento temporário de ataque, defesa, invisibilidade, e até a incrível ressurreição. É isso mesmo, você é o cara que trás as pessoas de volta a vida. Essa classe conta com as mesmas desvantagens dos Taoístas de Fogo, e não é necessário dizer que o seu poder de ataque é o menor entre as classes.

Você que é o farmer de todos os MMO’s, gosta de fazer itens, juntar dinheiro sem ter que investir nada, sua classe é o Arqueiro. Jogando com o arqueiro, você tem a habilidade natural da caça, consegue atingir todos os monstros ao mesmo tempo, e é o único no jogo com a habilidade de voar. Sua desvantagem fica por conta do PVP. No 1×1 ele perde, e feio. Mas nas guerras em equipe, e paralisar o inimigo com flechadas, facilitando a vida dos troianos e guerreiros de plantão. Enquanto ele estiver voando, ficará imune a ataques físicos.

Se você gosta de agilidade e força física combinados, sua classe é o Ninja. Recém introduzido no jogo, ele veio para ajudar a equilibrar a guerra. Pode usar duas katanas, e tem poder de ataque similar ao do troiano. É dotado do poder do envenenamento, e é uma das classes mais fáceis de upar. O Ninja conta também com a perícia de trazer arqueiros de volta ao chão, enquanto no vôo. Sua desvantagem fica por conta da defesa física, pouco menor que do troiano e guerreiro.

GH: Você bem no começo da conversa disse sobre a dificuldade de se comprar cash nos servidores internacionais. Como vocês vão tratar isto na Global Games, e como vai funcionar esta compra dentro e fora do jogo?

Felipe: Por termos planos de trazer mais jogos, nós criamos o GG$ (Global Gold), que será a moeda corrente da Global Games. Com ele você poderá resgatar créditos de qualquer jogo que nós temos publicado. No caso do Conquest, você troca os GG$ por Conquest Points (CPs). No jogo, ele é uma segunda moeda, que pode ser usada para qualquer finalidade, inclusive trocá-lo com outros jogadores pelos itens de sua preferência.

Dessa forma, tornam-se possível, que todas as pessoas tenham os mesmos benefícios no jogo, mesmo os que não compram GG$. O contrário também é válido, assim o carinha que trabalha a semana toda, e quer se divertir no jogo pode comprar GG$ para compensar a falta de tempo e ter os itens que ele deseja sem o esforço de dropar ou farmear.

Com os CPs, você pode facilitar muito a própria vida. No shopping de CPs tem alguns itens que te ajudam, assim você não precisa fazer aquela quest de 12 horas, pode também usá-lo para ganhar experiência. Basicamente, você troca tempo gasto, por dinheiro. Uma pessoa que opta por gastar CPs gasta menos tempo upando seus personagens e equipamentos, sobrando mais tempo inclusive pra se aprofundar em táticas e mecânica de jogo, mas no final de contas o que prevalece é a habilidade da pessoa em entender como o jogo funciona e tirar o melhor proveito disso.

Outra vantagem do CP é que pagando determinada quantia você retira suas punições por cheat, BOT ou qualquer outro tipo de ato não recomendado, ou seja, nós damos a chance do jogador se arrepender do que fez. MAS apenas um certo número de vezes, pois nós queremos é que a comunidade do jogo possa jogar de maneira justa. Quero ressaltar que o Conquest é um dos poucos que conta com o único sistema de punição entre todos os MMO’s atuais onde o jogador realmente pode se redimir.

GH: Ainda voltando no assunto, você disse que esperava lançar futuramente algo nacional. O que você pode nos contar sobre previsões ou algo do gênero?

Felipe: Eu gosto muito de dar valor ao conteúdo nacional. Quando se trata de MMO é muito difícil não sair do país. No entanto, estamos fazendo o possível para publicar um jogo nacional, que agrade todos, e que seja economicamente viável. Já estamos em contato com desenvolvedores, e fazendo pesquisa sobre o mercado, para publicar o melhor MMO brasileiro que estiver ao nosso alcance.

GH: Esperamos que dê tudo certo então. Felipe, obrigado mais uma vez pelo seu tempo, e quer deixar algum recado para os leitores?

Felipe: Colocaremos o jogo para download um dia antes do inicio do Closed Beta, então… Entrem no site, conheçam o Conquest. Tenho certeza que não se arrependerão de jogar. Caso tenham dúvidas, sintam-se livres para usar nossos canais de atendimento para saná-las. E não esqueçam de acompanhar as notícias do site.

Onde achar o Jogo?

www.conquestonline.com.br