Share Button

Um dia triste hoje, especialmente para a lenda dos quadrinhos Stan Lee, criador de vários personagens da editora Marvel Comics, que acaba de perder a esposa, Joan Lee, aos 95 anos de idade, de acordo com informações do The Hollywood Reporter e confirmada pelo porta-voz da família.

Joan sofreu um derrame no começo da semana e estava internada desde então. Ela faleceu “cercada por membros de sua família” nessa quinta-feira (06).

Joan, uma ex-modelo da indústria de chapéus no Reino Unido, conheceu e se casou com o quadrinista em 1947. Eles tiveram dois filhos, Joan Celia, que nasceu em 1950 e Jan, que morreu três anos após o nascimento em 1953.

Quando eu era jovem, havia um tipo de garota que eu desenhava, um corpo e rosto e cabelo. Era minha ideia do que uma garota deveria ser. A mulher perfeita. E quando eu saí do Exército, um primo meu conhecia uma modelo de chapéus em um lugar chamado Laden Hats. Ele disse: ‘Stan, esta é uma garota realmente bonita chamada Betty. Eu acho que você gostaria dela. Ela pode gostar de você. Por que você não vai lá e a convida para sair?“, contou Stan em entrevista no ano passado.

Então eu fui até esse lugar. Betty não atendeu a porta, mas sim Joan, e ela era a modelo principal. Eu olhei para ela – e ela era a garota que eu estava desenhando toda a minha vida. E então eu ouvi o seu sotaque inglês. E eu sou louco por sotaques ingleses! Ela disse: ‘Posso ajudá-lo?’ E eu olhei para ela e acho que disse algo louco como, ‘eu te amo’. Eu não lembro exatamente. Mas de qualquer forma, eu a levei para almoçar. Nunca conheci Betty, a outra garota. Penso que eu pedi Joan em casamento no almoço“.

Joan é descrita em alguns relatos de Stan Lee como uma motivadora para a criação do Quarteto Fantástico, a equipe escrita por Lee que se tornaria a base do Universo Marvel. O criador estaria deprimido com a falta de rumo de sua carreira e considerava deixar os quadrinhos no fim dos anos 1950 e no começo dos 1960, quando a já esposa sugeriu que ele fizesse uma última HQ “de que realmente gostasse”, relembra o quadrinista.