Share Button

David Ayer, diretor de “Esquadrão Suicida”, conversou com fãs nas redes sociais neste fim de semana, e revelou que um de seus grandes arrependimentos foi não ter feito o Coringa o vilão principal do filme.

Após agradecer a um fã que chamou seu filme de “obra-prima“, Ayer comentou os altos e baixos, reconhecendo que o filme tem muitas falhas e que sofreu com a quantidade de críticas negativas.

Eu sei que é um filme controverso, eu realmente tentei fazer algo diferente, com um olhar e uma voz própria“, disse Ayer. “Eu me inspirei na insanidade dos quadrinhos originais. Fazer um filme é uma viagem, não uma linha reta. Eu aprendi muito. As pessoas querem o que querem e todos têm uma visão pessoal de como cada personagem deve ser, andar e falar. Se você tenta fazer um filme que agrade a todos, é fácil acabar com algo sem graça. Mas eu tentei algo diferente. E eu sei que Esquadrão tem suas falhas, aliás, o mundo todo sabe disso. Nada dói mais do que pegar um jornal e ver anos de seu sangue, suor e lágrimas sendo destruídos. O ódio é forte lá fora“, explica.

Apesar das críticas, o filme rendeu uma boa bilheteria de mais de US$ 745 milhões, mas isso não impediria do cineasta voltar e mudar algo, se pudesse.

Gostaria de ter uma máquina do tempo. Eu faria o Coringa o vilão principal e criaria uma história mais sensata. Eu tenho que ver os erros e acertos e aprender com eles. Eu amo fazer filmes e eu adoro a DC. Por ter largado o colégio, eu tenho sorte de ter o trabalho que tenho. Eu tenho que dar aos personagens as histórias e tramas que merecem na próxima vez, de verdade (e não, não há uma edição secreta do filme com um monte de cenas do Coringa escondidas por aí)“.

Provavelmente muitos fãs concordariam com essa mudança…