Share Button

Uma carta de George R.R. Martin, autor de “As Crônicas de Gelo e Fogo” e que servem de base para a cultuada série “Game of Thrones” da HBO, para o lendário Stan Lee caiu na internet.

Escrita em 1964 (época em que Stan Lee ainda começava a moldar o universo Marvel), quando o escritor tinha apenas 16 anos, ela foi publicada no volume 1, edição 32, da HQ “O Quarteto Fantástico” (criada em 1961).

No texto, Martin começou “tietando” o trabalho de Lee como roteirista quanto o do seu parceiro, o também lendário desenhista Jack Kirby (que morreu em 1994), chamando o trabalho da dupla de “sublime“.

No entanto, ele também apontou uma falha na história e ainda diz que esse tipo de erro parece ser comum na HQ. “Entretanto, sinto informar que encontrei uma falha neste trabalho que, de outra forma, seria uma obra-prima perfeita, uma falha que, infelizmente, é comum com vocês. Quando vimos o Fantasma Vermelho pela última vez, no Quarteto Fantástico 13, ele estava preso na lua, sendo perseguido por três macacos super-poderosos lívidos de ódio que apontavam o raio paralisador do Sr. Fantástico para ele. Agora, de repente, vocês o trazem de volta com os macacos totalmente sob controle e sem uma única palavra de explicação“, escreveu.

O meticuloso futuro escritor continua, apontando outro erro já cometido pela icônica dupla da Marvel:

Não é a primeira vez que vocês trazem um vilão de volta sem explicar direito o que aconteceu. Vocês fizeram isso quando reviveram o Mestre dos Bonecos no Quarteto Fantástico 14, depois que Reed tinha dito que ele estava morto no Quarteto Fantástico 8. Que cientista! Não consegue saber se um cara está vivo ou morto, mas é inteligente o suficiente para criar um super-raio-radioativo-de-energia-cósmica-amplificada de uma hora para outra! Concluindo, desejo boa sorte a vocês nas próximas histórias, mas, Stan, não tire nenhum outro vilão do chapéu. Da próxima vez, mostre como foi que eles conseguiram se safar, ok? Ok!“.

Além de publicar a  carta/crítica na íntegra, a dupla não enrolou e respondeu: “Você quer a verdade? Nós esquecemos onde tínhamos deixado o Fantasma Vermelho e não tivemos tempo para olhar nas edições anteriores, porque a editora estava nos apressando com o prazo“.

Ou seja, já desde jovem Martin já era bem atento aos pequenos detalhes, e se fosse aqui no Brasil, certamente ele teria ganhado o famigerado “Troféu Cata-Piolho” (eu já ganhei um nas revistas do Aranha), um “prêmio” dado na seção de cartas para os leitores que apontassem um erro numa HQ – podia ser falha de continuidade, um deslize no letreiramento ou uma incoerência anatômica. Esse troféu já não existe mais.

Confira abaixo imagem da carta de Martin publicada na revista:

r1BoQRm