Share Button

Divulgação

No final de 2018, a Blizzard anunciou que Heroes of the Storm teria um corte na equipe de produção e uma diminuição nas atualizações, além de também cancelar o torneio mundial.

Agora Mike Morhaime, cofundador da Blizzard e que saiu do cargo de presidente da empresa no início de 2018, comentou em uma mesa redonda no GameLab sobre o fracasso do game.

Primeiro de tudo, acho que a equipe Heroes fez um grande jogo. Um dos meus arrependimentos é que nós não perseguimos Dota cedo o suficiente. Dota era muito popular e nós estávamos muito focados em World of Warcraft na época – havia mais pessoas jogando Dota do que Warcraft 3“, disse.

Vale lembrar que muito antes da Valve lançar Dota 2, um mod comunitário para Warcraft 3 chamado Defense of the Ancients (DotA) surgiu do nada e conquistou muitos fãs em 2003, dando origem ao gênero MOBA. A Valve comprou os direitos do jogo em 2009, lançando a sequência em 2013.

Mas a comunidade estava fazendo um ótimo trabalho para apoiá-lo e nós não queríamos atrapalhar isso“, continuou Morhaime.

E francamente nós tínhamos nossas mãos ocupadas tentando apoiar o crescimento do World of Warcraft. Nós achamos que se concentrar em Warcraft era a coisa certa no momento. Em retrospecto, se eu pudesse voltar no tempo e dizer: ‘Sabe de uma coisa? Por que não temos uma pequena equipe concentrada em fazer algo com o Dota? Ou por que não incluímos Dota com o lançamento de StarCraft 2 e temos um modo ou algo assim?’ Eu adoraria ter feito isso um pouco mais cedo. Eu acho que Heroes provavelmente chegou tarde demais“.

Atualmente Morhaime está curtindo a aposentadoria mas está livre de sua cláusula de não-concorrência com a Blizzard, que terminou em abril deste ano e abrindo as portas para que ele volte ao mercado de jogos.