Share Button

Divulgação

Um usuário do Twitter chamado Antoine H. perdeu sua avó recentemente e compartilhou uma bela história que emocionou a internet, onde conta como se aproximou ainda mais dela após apresentá-la a Dungeons and Dragons durante o último ano de sua vida.

Caso você não conheça, Dungeons & Dragons (D&D) é um RPG de fantasia que surgiu na década de 70 na forma de livros e tabuleiros, onde os jogadores criam personagens e embarcam em aventuras imaginárias.

D&D fez um estrondoso sucesso e rapidamente trouxe muitos produtos relacionados, como o clássico desenho animado Caverna do Dragão, filmes e diversos jogos de videogame.

A história contada por Antoine acontece por meio de um livro de D&D.

Confira abaixo:

Minha avó faleceu. Seu funeral foi hoje, mas aqui eu gostaria de falar sobre a coisa mais importante que eu não poderia gastar muito tempo em seu louvor: seu amor por Dungeons & Dragons.

Ela começou muito tarde, aos 75 anos, há pouco mais de um ano. Um dia, eu simplesmente perguntei se ela gostaria de tentar, e, como sempre quando apresentada com algo novo, ela disse: ‘Claro!’. Então pegamos meu Dungeons  & Dragons Players Handbook e construímos um personagem juntos.

Minha avó preferiu ser um gnomo da floresta porque parecia ser a raça mais feliz e ela gostava muito do fato de poder conversar com pequenos animais. Ela foi com o druida apenas para dobrar o tema da amizade animal.

Também quando passamos pelos traços de caráter, eu perguntei a ela: ‘Você quer ser um menino ou uma menina?’, E ela respondeu imediatamente ‘Eu tenho sido uma garota a vida toda, seria divertido tente ser um menino pela primeira vez’.

Então, estamos fazendo sua ficha de personagem, rolando suas estatísticas e escolhendo seus primeiros feitiços, e eu pergunto se ela tem um nome em mente. ‘Eu não sei, eu vou encontrar um até amanhã’.

Naquela noite, ela faz algo que nem eu esperava: ela acessa a internet e lê cada detalhe que pode encontrar sobre gnomos. Ela mal sabia como pesquisar no Google e, no entanto, aqui estava ela, navegando em artigos da Wikipédia e sites de fãs de D&D.

No dia seguinte, antes de jogar pela primeira vez, ela revela seu nome: Terminatur. Ah, e ela também o desenhou.

A coisa é, ela não sabia sobre o Exterminador do Futuro [obs: Terminator, em inglês], embora ela provavelmente tenha ouvido o nome em algum lugar e ele tenha voltado inconscientemente. Ela não fala inglês, então ela não faz ideia da conotação.

Ela inventou o nome de ‘cupim’ [obs: termite, em inglês], porque ela gostava da ideia de gnomos vivendo em tocas, e ‘natureza’, porque ela era uma druida. Ambas as palavras são as mesmas em francês. E ela tirou o último ‘e’ porque, eu não estou brincando, ‘é mais legal’.

Então começamos a jogar. É uma nova campanha começando no 1º nível, e eu decidi abordá-la como uma série de one-shots, para que os jogadores pudessem ir e vir sem ter que dobrar a história quando um personagem estivesse ausente. Essencialmente, eles são aventureiros enviados em missões pela guilda.

O grupo é composto de um feiticeiro Kalashtar, um meio-elfo ranger, e nosso pequeno gnomo druida, que nunca vai a lugar nenhum sem seu amigo ganso. Eles escolheram realizar a limpeza de uma casa assombrada. E foi aí que eu soube que minha avó se apaixonaria por RPGs.

Eles exploram a casa um pouco e, à noite, são atacados pela mesa da cozinha, que acabou sendo um mímico. Minha avó está genuinamente assustada com as vibes (leves) de filme de terror, mas ela está sorrindo pra tudo isso.

Minha avó entra na aventura. Tanto que às vezes ela tem que fechar os olhos para se acalmar. Agora, eu não sou particularmente um bom nem experiente Mestre de Jogo, mas ela me fez sentir como se eu fosse Christopher Perkins e Matthew Mercer [obs: profissionais que trabalham com D&D].

Recusando-se a chegar muito perto do mímico, ela conjura pela primeira vez uma cantrip que se tornaria seu feitiço de assinatura: Thorn Whip. A partir de então, ela usaria Thorn Whip sempre que pudesse, ou quando não soubesse o que fazer. Ela adorou esse feitiço.

De qualquer forma, ela lança o feitiço, e faz seu primeiro teste de ataque… natural 20. Toda a mesa ficou SELVAGEM (com o que quero dizer os jogadores, não o mímico). Não poderia ter sido mais perfeito.

Assim Terminatur nasceu. O grupo acabou estabelecendo esta casa como sua base, e ela fez disso um lar; Durante as sessões, ela usou druidcraft para literalmente cultivar uma nova mesa de cozinha onde estava o mímico, e plantou uma horta onde ela inventou uma nova fruta.

Aquela fruta, que ela chamou de cipal, serviria meses depois como moeda de barganha com fadas que cuidavam de um pomar. Isso eventualmente levou Terminatur a se tornar membro de um grupo de ecologia multiplanar, o Círculo da Mão Verde.

Convidei Terminatur para fazer parte deste grupo, enviando-lhe uma carta na vida real para o endereço da minha avó. Ela estava em êxtase e ela respondeu da mesma forma, enviando-me uma carta escrita. Ela cobriu com selos antigos representando árvores e dragões.

Os últimos meses foram difíceis. Ela estava lutando contra o câncer de pâncreas, e as coisas pioraram. Às vezes, a dor e a exaustão da quimioterapia eram demais para suportar e ela não conseguia jogar. Ela ainda fez isso quando pode, e atualizou seu desenho.

As cores da roupa de Terminatur foram inspiradas pelo personagem Bécassine, que ela amava desde criança. ‘Bécassine’ é um tesouro nacional e um dos personagens mais reconhecidos na França, embora seja praticamente desconhecido fora de sua terra natal.

Eu quase me esqueci de mencionar: minha avó também foi quem inventou o nome do grupo. Nesta campanha, todos os meus jogadores usam colares de verdade com pequenas bugigangas que encontraram em suas aventuras e que lhes entrego para recompensá-los: medalhas, anéis, dentes de monstros…

Minha avó estava particularmente sobrecarregada, então um dia ela surge com um nome em potencial, ‘les Bijoutiers Fantaisistes’ – Os Joalheiros Fantásticos. Foi tão engraçado e inesperado, todo mundo amou de uma só vez, e eles têm se chamado assim desde então, muitas vezes encurtado como BF.

Menos de um mês atrás, o câncer assumiu todo o seu corpo. Ela foi hospitalizada e ficou lá até sua morte, na manhã de quarta-feira. A última coisa que ela me disse foi: ‘Nunca mude, nunca perca o seu espírito de família e continue jogando Dungeons & Dragons’.

Então o BF continuará sem seu druida. E em todas as minhas campanhas futuras, os jogadores ouvirão falar de um lendário gnomo viajante com um ganso na cabeça que dá frutos estranhos, estala seu chicote e desaparece. Para a melhor avó do mundo. Eu já sinto falta dela.

Abaixo você confere os posts originais no Twitter: