Share Button

Certamente a essa altura do campeonato, todos já devem ter ouvido falar de “Journey“, mesmo que nunca tenham chegado perto de um sistema PlayStation. Desenvolvido pelo estúdio independente ThatGameCompany e lançado originalmente em 2012 para o PS3, ele foi um sucesso mundial de vendas e crítica, vencendo inúmeros prêmios e recebendo um remaster HD em julho de 2015 para o PS4.

E todo esse alvoroço não é por nada, já que ele foi descrito por muitos como uma “experiência emocional tocante“. Ele foi o último jogo de uma trilogia com produção combinada entre a ThatGameCompany e a Sony, composta por “Flow” (2006) e “Flower” (2009). Saiba mais desse jogo maravilhoso em nossa análise abaixo.

journey2

Iniciando a jornada épica

O jogo levou três anos para ser desenvolvido e nele o jogador controla uma figura encapuzada a vagar por um vasto deserto, viajando rumo a uma grande montanha no horizonte. Nada é dito sobre a história ou personagens, tampouco há textos ou diálogos durante toda a sua jornada épica.

Você simplesmente começa controlando aquela enigmática figura de manto vermelho no meio do mar de areia dourada, que possui em seu cenário apenas algumas ruínas e restos de templos, e uma enorme montanha lá longe – e sem ter para onde ir, o negócio é ir até lá.

journey4

O mapa do jogo é aberto e você pode ir para qualquer direção que desejar, sem indicações diretas para trajetos que devem ser seguidos. Pequenas dicas vão sendo jogadas para uma exploração, sendo que a jogabilidade é extremamente simples e acessível.

Algo de grande destaque no game, que o torna ainda mais magnífico, é a possibilidade de encontrar outro jogador durante a exploração dos cenários, e com ele formar uma parceria, e até mesmo criar uma ligação de auxílio mútuo, tudo sem comunicação via áudio ou texto ou sem qualquer informação a respeito do outro usuário. A única forma de contato é através de uma nota musical que o personagem é capaz de emitir, e é incrível como criamos um laço com essa pessoa completamente desconhecida, que nos acompanha durante nossa jornada.

journey5

Esse som também interage com peças de tecido vermelho espalhados pelos cenários, afetando os ambientes e permitindo a progressão da história. Além disso, a figura encapuzada usa um cachecol que pode ser carregado quando aproximado dessas peças de tecido, ou pelo companheiro de jogo, dando a ela a capacidade de executar voos temporários.

Não se pode dizer que o jogo seja desafiante, já que a intenção dos criadores é criar uma atmosfera envolvente e uma resposta emocional, e por isso mesmo ele não apresenta distrações como medidor de vida, pontuação, danos, mortes, etc.

journey6

Seu visual tem um design artístico belíssimo, onde cada momento é como uma obra de arte interativa, que é complementada pela trilha sonora tocante de tirar o fôlego, tanto que foi a primeira trilha de um jogo a ser nomeado para o Grammy Awards. Os temas musicais se amarram dinamicamenteàs ações e aos efeitos sonoros do personagem e do jogo, transmitindo grande parte da emoções de forma marcante e artística.

Infelizmente o jogo é bem curto e pode ser finalizado em menos de duas horas, e a sensação de “quero mais” nos momentos finais é inevitável. Mas uma coisa eu digo: chegar no topo daquela montanha e completa a jornada criará memórias marcantes que durarão por anos.