Share Button

Além dos quadrinhos, cinema e séries da Netflix, a Marvel também está investindo pesado em sua área de games, que já incluem os aguardados Spider-Man da Insomniac Games, a série episódica de Guardiões da Galáxia da Telltale, o jogo de luta Marvel vs Capcom: Infinite, Lego Marvel Super Heroes 2 e o misterioso Vingadores da Square Enix.

Em uma recente e longa entrevista ao site GameIndustry o vice-presidente da Marvel Games, Jay Ong, falou como funciona esta nova empreitada no universo dos games.

Não é apenas um alinhamento criativo, mas a ambição também é uma grande parte“, disse o empresário. “A menos que você queira acertar acertar alguns Home Runs [termo usado no Baseball, onde o rebatedor é capaz de circular todas as bases, geralmente após rebater a bola para fora do estádio], não estamos interessados em fazer parcerias com você. Então, temos que compartilhar a visão criativa e, também, você tem ambição? Você está disposto a investir o talento, o tempo e os recursos para criar um grande jogo como Spider-Man, Marvel vs. Capcom Infinite ou The Avengers? Todos esses serão jogos enormes com longos ciclos de desenvolvimento e talentos de primeira linha“.

E a abordagem parece estar realmente funcionando para a empresa. “Até certo ponto, é quase que todo grande título que as pessoas veem ou que anunciamos parcerias leva a coisas mais interessantes“, afirmou.

Basicamente legitima que somos ótimos para colaborar. E, o mais importante, há o resultado. Olhe para Spider-Man [do PS4] – ele fala por si mesmo. Então, a estratégia foi sólida e provada. Você pode ver isso na E3. Marvel vs Capcom é incrível, e Spider-Man vai ser um fenômeno no próximo ano“.

E mesmo que a empresa tenha gostado de trabalhar com a Activision em jogos do Homem-Aranha anteriores, ela sente que uma abordagem diferente com a Insomniac é algo único:

Certamente a forma como pensamos sobre nossas parcerias não é tanto sobre a criação de uma construção legal que se prolonga a longo prazo, é sobre a criação de relacionamentos a longo prazo“, disse Ong.

Portanto, não é muito sobre se existe um compromisso legal de fazer X, Y e Z, mas um desejo de dizer: ‘Bem, isso é tão bem sucedido, vamos fazer mais coisas juntas’. No final do dia, se um projeto não é bem sucedido, não acho que nenhuma das partes quer ficar na parceria. Isso é lógico e faz sentido“.

Segundo Ong, o que importa é a paixão dos projetos, e não a licença contratual ou quantidade: “Nós confiamos menos na obrigação contratual porque essa é realmente uma ferramenta pobre para determinar o comportamento“, disse Ong.

É sobre o que é mutuamente benéfico. Essa é uma grande parte do nosso trabalho, para atuar como gerente de portfólio. Como nos certificamos de que os jogos são diferenciados o suficiente para que os parceiros não sejam prejudicados por outros jogos e que os consumidores não fiquem confusos?“, comentou.

Algumas gerações atrás, houve um desejo de fazer muito conteúdo. E agora nós fomos para menos e menos. Tem sido uma decisão consciente de aumentar e diminuir, para evitar a saturação ou a confusão do consumidor“.

Spider-Man chega exclusivamente no PlayStation 4 em 2018.