Share Button

– Violento e sangrento, novo “Mortal Kombat” ressurge com essência dos games clássicos –

E finalmente o dia chegou meus amigos, os fãs de jogos de luta aguardavam ansiosamento pelo nono jogo da sangrenta série “Mortal Kombat”  (alguns como esse  trouxão jogaram antes) e agora ele já se encontra disponível para PlayStation 3 e Xbox 360.

O jogo marca um reinício para a franquia, que surgiu pela primeira vez em 1992, sendo que seus três primeiros jogos são considerados clássicos na história dos videogames. Com esse reinício, a NetherRealm Studios pretende aparar as arestas das histórias passadas e ao mesmo tempo, atrair um novo público.

E para isso o jogo traz uma enorme quantidade de conteúdo extra, gráficos lindos, litros de sangue, violência e claro, muitos fatalities, a grande marca registrada da série. Isso tudo regado com um modo história surpreendentemente profundo, recheado de várias belas cutscenes e um estilo de jogo que remete aos antigos clássicos da série (esqueçam as porcarias 3D), para alegria dos fãs veteranos.

come over here

A história é uma reedição dos três primeiros jogos e mostra Raiden, que está prestes a ser morto por Shao Kahn em eventos após “Mortal Kombat Armageddon”, enviando uma mensagem para sua versão passada (o Raiden de Mortal Kombat 1), que a recebe como um tipo de premonição. Assim, o Raiden do passado tenta mudar o destino, afetando os eventos vistos nos três primeiros games da saga, tentando evitar a destruição de todas as realidades.

Assim, temos a disposição todos os lutadores da trilogia original, com cerca de quase 30 lutadores. Como a maioria já deve saber, o espartano Kratos entra no ringue de Mortal Kombat (inclusive com cenário próprio), como personagem exclusivo do PlayStation 3 (além de o jogo ser compatível com a tecnologia 3D estereoscópica do console). Goro, Kintaro e Shao Khan aparecem como chefes não jogáveis.

Kratos nas arenas de Mortal Kombat

O jogo chama a atenção pelo seu requinte na parte gráfica, com visuais inspirados e detalhados, graças ao uso do famoso motor gráfico Unreal Engine 3. Não apenas os personagens se apresentam de forma impecável (com direito à roupas rasgadas, fraturas, feridas e muito sangue pelo corpo) os cenários e ambientes de luta em 3D também marcam presença de maneira louvável, extremamente detalhados, com retoques de animações ao fundo e com bom uso de luzes e sombras, que criam o cenário hostil perfeito para a pancadaria sangrenta (com a presença de cenários clássicos como o ‘The Pit’, em que é possível jogar o oponente de uma ponte em cima de espetos no chão, o violento Coliseu de Khan, a terrível Piscina de Ácido Verde e a Floresta Viva, mais mortal do que nunca).

Mas se o visual 3D modernoso impressiona, a mecânica de jogo mantém suas raízes no estilo 2D, sendo bastante acessível aos jogadores novatos que não conhecem os antigos games, e um prato cheio para os veteranos, que vão se sentir em casa, sem a presença de golpes mirabolantes, mas com elementos inéditos que dão um novo gás para a série. As lutas são intensas e frenéticas, com combos e golpes especiais que saem com facilidade.

São quatro botões de ataque (seguindo o estilo da série “Tekken”) e a grande novidade é a adição de uma barra que é preenchida quando se leva ou dá umas porradas. Esse medidor pode ser carregado em três níveis que pode ser usado para ataques especiais, interromper combos ou ainda usar um super combo chamado de Raio-X. Durante esse super combo, a câmera entra em modo de zoom e revela o esqueleto e órgãos do adversário sendo partidos ou rompidos enquanto leva uma sequência devastadora de golpes. O visual desses ataques é muito legal e dá um toque artístico diferenciado para a série (mamães ficarão chocadas com as cenas violentas).

Modo Raio-X mostra o adversário sendo “quebrado” por dentro

Seguindo a cartilha dos jogos da Capcom, o novo “Mortal Kombat” também oferece jogos em duplas, sendo possível mudar de lutadores durante os combates, ou contar com assistências durante os combos. Além disso, o jogo oferece uma grande quantidade de conteúdo extra que pode ser desbloqueado (como personagens e roupas extras, fatalities, músicas, artes conceituais e muito mais) o que motiva o jogador a revisitar o game por várias e várias horas. Além do “modo escada” (o estilo arcade em que o lutador vai enfrentando um lutador após o outro) e o modo História para cada um dos lutadores, há também o Challenge Tower, modo que oferece vários pequenos desafios (cerca de 300 desafios e vai ficando cada vez mais difícil, é bastante divertido) e o tão aguardado modo online com várias modalidades, inclusive em dupla (chame um amigo e enfrente a galera!). Há até um modo de treinamento para os Fatalities, para quem quiser ficar bem habilidoso e não vacilar na hora de “fritar” os seus oponentes. Os minigames para testar a sua força estão de volta com os Test Your Might (igual ao do primeiro game, pressione os botões e destrua objetos), Test Your Strike (destrua blocos específicos em uma pilha), Test Your Sight (ache um objeto escondido debaixo de crânios embaralhados) e Test Your Luck (lutas ocorrem com vários modificadores, como não poder bloquear ou lutar sem os braços).

Outra novidade para os brasileiros é que o game conta com legendas em português do Brasil, porém o resultado final não é dos melhores, com vários erros ortográficos e traduções estranhas para alguns termos. O cara que fez a tradução deve ter usado o Google Translator, poderiam ter sido mais caprichosos, afinal, ver a Sonya falar “Maneiríssimo, Liu Kang!” não rola!

Trabalhe em dupla para fatiar os adversários