Especial (diversos)

Ni No Kuni: Cross World anuncia suporte para cross-play

O novo jogo da franquia, Ni No Kuni: Cross World, anunciou suporte para cross-play, e a data de lançamento para o game. Confira mais detalhes

A desenvolvedora Netmarble anunciou nesta quarta-feira (11/05), por meio de um press release, a confirmação de que o aguardado Ni No Kuni: Cross Worlds terá suporte para cross-play. O jogo também ganhou uma data de estreia, agendada para o dia 25 de maio.

Com o release da produtora, foi possível confirmar que o game será compatível com os dispositivos Android e iOS, e também nos emuladores de PC que replicam esses sistemas. Conhecido como cross-play, esse suporte permite que os usuários aproveitem a jogatina em ambos os dispositivos.

A novidade é especialmente vantajosa para gamers que desejam ter uma experiência mais imersiva do jogo, em telas maiores, por exemplo, e também para usuários que realizam mais de uma atividade, como streamers.

O uso do cross-play facilita a transmissão do jogo durante as lives, o que aumenta o apelo do game, já muito esperado pelos fãs da saga.

Além da data de estreia e anúncio do suporte integrado, o release também revelou que Ni No Kuni: Cross World acompanhará cinco classes diferentes disponíveis já na estreia. Cada classe acompanha conjuntos de características e elementos personalizáveis.

Outros pontos da saga se mantém, com mundo imersivo, design no estilo anime e familiares que acompanham os personagens. As mecânicas de gerenciamento dos cenários e interação social também permanecem semelhantes aos demais jogos, mantendo os componentes que tornaram a franquia conhecida.

Até o momento, nenhum evento de transmissão foi anunciado para acompanhar o lançamento, mas os jogadores e streamers já se preparam para adquirir o game, especialmente depois de confirmar que o suporte estará disponível.

 

Cross-play em Ni No Kuni: Cross World pode atrair mais públicos

Além de tornar o jogo mais moderno, o suporte para PCs também pode fazer com que Ni No Kuni: Cross World seja mais atrativo para outros públicos, potencializando o seu faturamento.

Isso porque os jogos mobile ainda são preferência entre os gamers, especialmente pela acessibilidade e valores mais em conta do que outros consoles. De acordo com uma pesquisa da Kanter IBOPE Media, divulgada pela matéria especial da Betway Insider, 83% dos gamers brasileiros jogam em smartphones.

Além disso, jogos mobile, que estão disponíveis apenas para celulares, não engajam os usuários nas plataformas de conteúdo como a Twitch. 

De acordo com dados divulgados pelo site de apostas de e-sports, a categoria mais popular é “just chatting”, quando os produtores de conteúdo ficam apenas batendo papo com a galera do chat. Eventos especiais vem em segundo lugar, e o jogo mais popular é League of Legends, que aparece apenas em terceiro. 

Alguns jogos mobile encontraram soluções alternativas, como a Garena, desenvolvedora de Free Fire, que lançou sua própria plataforma de streaming, por conta dessa dificuldade de compartilhamento.

Conforme traz a matéria da Betway, a BOOYAH!, plataforma gratuita da Garena, ultrapassou 2,7 milhões de usuários, com milhares de transmissões.

Enquanto isso, para jogos como Ni No Kuni: Cross World, que não contam com essa alternativa, a funcionalidade pode movimentar mais jogadores e canais de conteúdo, o que ajuda na divulgação do game e, consequentemente, na sua popularidade.

 

Sobre a saga

Ni no Kuni é uma série de jogos eletrônicos de RPG criada por Akihiro Hino, desenvolvida pela Level-5 e publicada pela Bandai Namco Entertainment. 

A franquia é formada por três títulos principais, três jogos para dispositivos móveis e um longa-metragem de animação, disponível na Netflix. 

O primeiro título foi Ni no Kuni: Dominion of the Dark Djinn, lançado em 2010, sendo seguido por uma versão aprimorada, Ni no Kuni: Wrath of the White Witch em 2011. A sequência saiu apenas em 2018, chamada Ni no Kuni II: Revenant Kingdom.

Por fim, Ni No Kuni: Cross World adiciona mais um título à franquia, quatro anos depois do seu último lançamento.

Redação

Fundador do GameHall e produtor do programa Versus.

Artigos relacionados