Share Button

the-witcher-3-wild-hunt

A revista alemã Gamestar.de teve a chance de jogar The Witcher 3: Wild Hunt por dois dias seguidos, sem limitações. O jornalista que obteve este privilégio jogou por 12 horas e alcançou o nível 7. Ele parecia bastante impressionado após terminar de jogar.

Segundo ele: “Meus dois dias com Geralt foram uma das minhas mais lindas, excitantes e poderosas experiências que eu tive nos meus 33 anos de jogatina.”

A revista mostrou diversas informações sobre o jogo que você pode conferir abaixo:

Detalhes da Jogabilidade

  • Existem 4 dificuldades – fácil, média, difícil e dark (sombria – tradução livre). Elas fazem as habilidades dos monstros que você enfrenta mudarem. A vida deles continua a mesma.
  • Você pode barganhar por mais dinheiro após concluir o seu contrato de caça a monstros através de um tipo de minigame.
  • As missões alternativas são extremamente bem feitas com excelentes roteiros e ramificações.
  • Poções são necessárias nas dificuldades mais altas. Você só precisa criar a poção uma vez e poderá reenchê-la se tiver álcool suficiente. É possível melhorar as poções para deixá-las mais potentes. Poções mais potentes aumentam mais seu nível de toxicidade.
  • Novigrad e No Man’s Land são de fato um único mapa, muito maior do que Skyrim. As ilhas de Skellige formam a outra vasta parte do jogo. Próximo a isso, existem outros 5-6 locais separados, incluindo Kaer Morhen.
  • Inimigos não renascem ou ao menos não renascem com frequência.
  • Melhores itens do jogo tem de ser criados.
  • A ramificação da história e como ela funciona não é sempre tão óbvio. Corrigir escolhas “erradas” usando save/load será bem difícil ou até mesmo impossível.
  • Ao contrário dos diálogos encontradas nos jogos da BioWare, as opções não são claramente boas ou ruins. Você terá de supor o que são por conta própria.
  • O design do cartão Gwent dentro do jogo é muito bonito.
  • O jogo apresenta duas cidades grandes: Novigrad e Oxenfurt, ambas cheias de vida.
  • Existem cerca de 25 “vilarejos” dentro de No Man’s Land e Novigrad, alguns do tamanho de Floatsam de The Witcher 2.
  • Geralt pode roubar pessoas, embora o sistema esteja muito fácil e parece faltar algo.
  • O jornalista (nível 7) foi morto com um golpe só por um wyvern (nível 24). Os níveis não escalam.
  • As sequências com Ciri terão aproximadamente 5-10 horas e se assemelharão mais um jogo de ação e aventura do que um RPG.
  • Armazenamento extra pode ser obtido criando sacos para a sela do seu cavalo.
  • Existem muitos pequenos detalhes como Roach (cavalo de Geralt) parando para comer maçãs de um cesto.
  • Todos os itens equipados são visíveis em Geralt dentro do jogo.

Detalhes Técnicos

  • A interface é completamente customizável. Ícones e marcadores de missões no mapa podem também ser desativados. Dicas audiovisuais (ex.: pessoas gritando por ajuda) estarão presentes caso assim você deseje.
  • O jornalista não encontrou nenhum NPC (personagem não jogável) igual a outro.
  • Jogar no controle é bem melhor do que no mouse+teclado.
  • As irritantes portas presentes em The Witcher 2 se foram. Portas agora abrem automaticamente, sem a necessidade de apertar um botão. Não existe loading na hora de entrar nas casas e demais construções também.
  • Patch confirmado para o dia de lançamento do jogo.
  • Versão do Xbox One continuará com a resolução de 900P.
  • A barba de Geralt cresce com o passar do tempo.
  • O mais impressionante sistema climático já visto em um jogo (segundo o jornalista).
  • Pouquíssimos bugs encontrados. Nenhum problema que fechasse o jogo ou travada.
  • Gráficos no Ultra mudam bastante a qualidade da vegetação e modelos dos personagens.
  • Não é possível mudar o LOD. (opção disponível em certos jogos de PC que melhora ou piora a qualidade gráfica de objetos distantes do jogador)
  • Sanguinolência visual mais proeminente do que em The Witcher 2.

The Witcher 3: Wild Hunt tem previsão de lançamento para o dia 19 de Maio no PC, Playstation 4 e Xbox One.

Via NeoGAF