GamesNotícias

Pesquisa mostra que 43% dos gamers brasileiros querem comprar eletrônicos na Black Friday

Embora o gamer brasileiro não esteja em seu melhor momento no que diz respeito a aquisições, 43% deles pretendem atualizar seu setup de games na Black Friday deste ano. É o que a nova pesquisa da Nimo TV, plataforma de streaming focada na transmissão de jogos digitais, revelou, assim como o fato de 67% terem a intenção de trocar de celular durante o período de promoções. A análise, que falou com 1,6 mil pessoas, também ressalta outros dados de consumo frente ao mês de novembro.

A pesquisa mostrou que 50% dos entrevistados declararam fazer compras pela internet, o que, novamente, é uma forte tendência para a Black Friday 2021. Além disso, 57% das pessoas disseram ter planos de adquirir um console neste mês, seja ele PlayStation, Xbox ou outros.

“Por meio dessa pesquisa, já é possível perceber que será mais uma Black Friday focada em eletrônicos, em hardwares cada vez mais modernos e personalizados para diferentes públicos, sendo neste caso, o público gamer uma das grandes apostas”, explicou Rodrigo Russano Dias, chefe de relações públicas e mídias sociais na Nimo TV Brasil. “Mas isso não surpreende a Nimo TV, considerando o aumento de jogadores na nossa plataforma, bem como nossa audiência nos últimos meses. Estes usuários estão sempre buscando opções que melhorem suas experiências”, ressaltou Dias.

Os entrevistados também pretendem adquirir outros produtos para seu setup ou de estilo de vida gamer, como cadeira, monitor, gabinete, jogos, fones de ouvido, TVs, controles e microfones. Ainda vale destacar que 49% afirmaram que compram equipamentos depois de terem visto algum streamer utilizando o produto.

“É normal que as pessoas se sintam mais seguras em fazer uma compra depois de terem visto um streamer usar, isso porque esse streamer, que joga diariamente e trabalha com isso, sabe quais são os melhores equipamentos. Isso também cria uma relação de intimidade entre público e streamer, que ficam mais próximos quando acabam por ter os mesmos equipamentos”, concluiu Dias.

Artigos relacionados