Share Button

Divulgação

A Riot Games e a Ubisoft, responsáveis pelo cenário competitivo de League of Legends e Rainbow Six Siege, enviaram uma carta para a senadora e ex-jogadora de vôlei Leila Barros (PSB-DF) em relação ao PL3 383/2017, de autoria do senador Roberto Rocha (PSDB-MA), que quer regulamentar os eSports no Brasil.

Na carta, enviada nesta última sexta-feira (12), as empresas afirmam que são a favor de uma audiência pública para discutir o tema do esporte eletrônico no Brasil.

A Riot Games e a Ubisoft, desenvolvedoras de games e organizadoras de alguns dos mais importantes torneios de esportes eletrônicos do Brasil, e pioneiras no investimento, fomento e coordenação do cenário de esportes eletrônicos no Brasil e no mundo, gostariam de oficializar o apoio à senadora, que tem se manifestado à favor de uma audiência pública para debater o PL 383/2017“, diz o documento.

É de nosso entendimento ser indispensável abrir essa possibilidade de discussão a todos os envolvidos nesse ecossistema (desenvolvedores, organizadores, jogadores profissionais, clubes e torcedores) para que uma futura regulamentação acerca dos esportes eletrônicos seja condizente com o emergente e cada vez mais relevante cenário brasileiro“.

Na semana passada, as organizações Associação Brasileira de Clubes de Esports (ABCDE), Electronic Sports League (ESL) e Entertainment Software Association (ESA) também enviaram uma carta para a senadora, pedindo um debate sobre o projeto de lei.

Confira abaixo a carta na íntegra:

Entenda o caso

No começo do mês, a senadora entrou em uma polêmica ao se posicionar contra o reconhecimento dos esports como modalidade esportiva, durante votação do PSL 383/2017.

Vôlei e futebol são competição, não arma ou tiro. Quando nós falamos de esporte, as comunidades esportivas e as entidades foram escutadas nesse relatório? Ninguém foi. Teve audiência? Eu peço desculpas, vou ter que votar não.

Eu acho que me sinto uma legítima representante do esporte. Eu queria deixar bem claro que são “jogos” eletrônicos. Esporte, vocês vão ver lá Cuba e Estados Unidos competindo dentro de uma quadra e cessando todo tipo de conflito.

Desculpa, isso não é esporte, porque esporte tem uma preparação também. Tem que ouvir a comunidade esportiva também. O alto rendimento é isso, é uma entrega. Quem é do esporte abdica muito da sua vida, inclusive pessoal, para representar um país“, disse ela na época.

Após várias críticas da comunidade gamer, a senadora pediu desculpas pelos “comentários interpretados de forma equivocada em um vídeo publicado em seu canal no YouTube e disse ter interesse em conhecer melhor o assunto e está aberta a debates.

O esporte para mim é perseverança, é foco, é resiliência, é espírito de equipe e é o fair play. E eu sei que nesses campeonatos [de esports] a gente vai encontrar isso entre as equipes, entre os profissionais e aqueles que estão em competição“, disse ela no vídeo divulgado.