Share Button

Ao que parece o relacionamento de Robert Kirkman, o criador de “The Walking Dead”, e a emissora americana AMC não anda nada bem. De acordo com o The Hollywood Reporter, o quadrinista abriu um processo contra a emissora, junto com Gale Anne Hurd, David Alpert, e Glen Mazzara, todos produtores da série, que pode custar aos cofres da empresa um prejuízo de mais de US$ 1 bilhão.

Eles alegam que tenham sofrido violação de contrato, interferência tortuosa e ações comerciais desleais ou fraudulentas que infringem as leis da Califórnia nos lucros da popular série de zumbis.

Este caso é resultado da incapacidade de um grande conglomerado de entretenimento em honrar com suas obrigações contratuais junto ao corpo criativo — o ‘talent’, no jargão da indústria — por trás da vorazmente bem-sucedida, imensamente lucrativa e longeva série de televisão The Walking Dead“, diz parte da queixa, que também acusa a estrutura da AMC de mascarar “os lucros enormes” da série para, assim, “não ter de compartilhá-lo com a parte queixosa, como previsto em contrato“.

Do outro lado, a AMC se defendeu:

Esse tipo de situação é muito comum no negócio de entretenimento. Todos os estúdios e canais que possuem uma produção de sucesso como essa passam por isso. E The Walking Dead vem sendo a série mais assistida do mundo há anos, então não é nenhuma surpresa. Temos grande respeito e apreciação pelos produtores, e continuaremos trabalhando ao lado deles, mesmo defendendo vigorosamente que esse processo é oportunista e completamente sem fundamento“, diz a nota oficial da AMC sobre o caso.

Frank Darabont, o primeiro showrunner que foi demitido durante a segundo temporada, também acusa a emissora (em outro processo) por fraude na divisão dos lucros da série, pedindo US$ 280 milhões de indenização.

The Walking Dead” retorna com sua oitava temporada em 22 de outubro.