Análises

Sonic Generations

Você é fã do Sonic ou pelo menos já jogou algum dos jogos do mascote? Se sim, ficará empolgado em saber que Sonic Generations revisita cenários clássicos como Green Hill Zone (Sonic 1 para Mega Drive), City Escape (Sonic Adventure 2) e outros com gráficos de ponta, músicas remixadas, e ainda coloca a jogabilidade clássica “corre-e-pula” em câmera 2D do Mega Drive, com direito ao azulão em seu visual antigo, assim como o popular gameplay moderno oriundo de Sonic Unleashed HD que aposta no turbo, reflexo, e dinamismo de movimentos, com o seu visual tradicional.

Sonic Generations pode ser definido como o “jogo dos sonhos” para aqueles que são fãs de alguma época do eterno mascote da SEGA. Idealizado pelo genial Takashi Iizuka para comemorar os 20 anos do azulão, ele também dá um “ponto final” no rumo que a franquia vinha seguindo até então, e condensa tudo que há de melhor nos jogos principais do mascote.

VISUAL

Utilizando a exclusiva Hedgehog Engine originária de Sonic Unleashed HD, que coloca efeitos de luz e sombra hiper realistas aos cenários, os gráficos estão entre os pontos mais fortes do jogo. Mas não é só na iluminação que o game brilha, pois tudo é caprichado: taxa poligonal dos personagens alta, cenários ricos visualmente, cores bem saturadas, riqueza nas animações tanto dos heróis quanto dos inimigos, texturas em alta resolução, e por aí vai. Destaque para Seaside Hill extraída de Sonic Heroes, sem dúvidas a mais bonita do jogo tanto para o mascote clássico quanto para o moderno.

No entanto, mesmo os gráficos sendo excelentes, regridem de forma discreta comparado ao Unleashed HD, que utiliza a mesma engine. Acredita-se que a Sonic Team quis diminuir a potência gráfica para manter a taxa de quadros fixas no 30FPS, já que o jogo citado tinha constantes quedas quando havia muitos elementos na tela. Mesmo assim, o próprio Generations tem momentos de slowdowns, mas são raros e não atrapalham em nada a experiência, apesar de afastá-lo da nota 10. Vale lembrar que a versão para Steam tem suporte para até 60FPS, e dependendo do desempenho de seu PC, ele rodará liso e sem quedas.

Sonic Generations Chemical Plant

GAMEPLAY

Um dos pontos em que o jogo mais brilha. Tanto a jogabilidade do Sonic clássico quanto a do moderno são bem lapidadas, com excelência em level design, inimigos e obstáculos bem posicionados, multiplicidade de caminhos, gimmicks bem implementadas, controles respondem perfeitamente, etc. São 9 fases divididas em dois atos, uma para cada Sonic.

Green Hill de Sonic 1, Chemical Plant de Sonic 2, Sky Sanctuary de Sonic 3&Knuckles, Speed Highway de Sonic Adventure, City Escape de Sonic Adventure 2, Seaside Hill de Sonic Heroes, Crisis City de Sonic 2006, Rooftup Run de Sonic Unleashed, e Planet Wisp de Sonic Colors.

Como dito anteriormente, a do clássico segue o estilo tradicional do Mega Drive e Master System, contando com a antiga câmera 2D em plataforma lateral, e ataques como spindash (também conhecido como “bolinha” por muitos brasileiros), escudo protetor, monitores que dão 10 anéis, e o objetivo é correr até a placa de final de fase.

City_Escape_Classico

Já o moderno utiliza a jogabilidade boost, e com o  aperto de um botão o Sonic corre em alta velocidade e sai “atropelando” os inimigos que voam longe, além de percorrer por trilhos, usar homing attacks (pulo teleguiado), malabarismos no ar para aumentar a pontuação, etc. O interessante é que o gameplay moderno brinca com a câmera no meio da fase, saindo da perspectiva 3D para a 2D, mas proporcionando uma experiência diferente comparada ao Sonic clássico. E por falar em diferença, as fases homenageiam temas anteriores, mas o level design delas é inédito, assim como as estratégias para derrotar chefes e rivais também. São novas encarnações de lugares e batalhas lendárias.

No entanto, há considerações que afastam o gameplay da nota 10: a física do Sonic clássico não é idêntica a dos games de Mega Drive, apesar de ser um ponto que somente os fãs ardorosos notam. Isso acontece por terem utilizado as estruturas (ou engine) de Sonic Unleashed HD, idealizada para funcionar exclusivamente no gameplay do Sonic moderno, e, portanto, seria necessário criar um novo motor de jogabilidade para que a física ficasse 100% idêntica. Além disso, o nível de dificuldade é um pouco baixo, oferecendo mais desafio durante a reta final. Talvez a ideia fosse que o jogo ficasse acessível  para a maioria dos jogadores, mas fica um desejo de que ele poderia ser um pouco mais desafiante.

Sonic-Generations-Planet-Wisp-Screenshots-32

ORIGINALIDADE

Apesar da ideia de recriar as fases do Sonic no estilo clássico e moderno ser bem original, o Generations não busca a inovação, mas procura sintetizar tudo que há de melhor ao longo dos 20 anos do ouriço. Ou seja, ele não “olha para frente”, mas sim “para trás”, dando um “adeus com as mãos” para o passado, visando alcançar novos ares em jogos futuros.

Vale dizer que um ponto que ficou devendo é a história, já que anteriormente a SEGA tinha dado ao personagem enredos bem legais nos dois jogos de Sonic Adventure e Unleashed, e em Generations acaba se resumindo em salvar o mundo de um vilão que pode manipular o tempo e o espaço, contando com diversos diálogos bobos que fazem piadas com a própria série.

No entanto, há momentos em que o coração dos nostálgicos será atingido, seja em uma cena em que o Tails chama o Dr.Eggman de “Robotnik”, ou quando sua versão clássica pergunta “Onde o Sonic guarda todos esses anéis que coleta?”.

espelho

TRILHA SONORA

Remixa as músicas da série no estilo clássico e moderno, sem descaracterizar os temas originais. É interessante que a trilha sonora não combina só com a fase, mas também com o Sonic em si, sendo que os temas do clássico são um pouco mais lentos e “puxados” para o pop, enquanto a do moderno são mais rápidas e rock ou techno. Destaque para a City Escape com o Sonic antigo, e para a Crisis City do moderno. Nota 10 fácil.

REPLAY

O ponto mais fraco. O modo principal é curto e fácil, e um jogador experiente consegue chegar até os créditos em três ou quatro horas. Ele oferece diversas missões alternativas e conquistas para serem desbloqueadas, assim como um “Hard mode” para as fases, o que  dá algum “fôlego” para o título, mas ainda fica um gosto de “quero mais”.

 

Artigos relacionados