Share Button

O game Victor Vran chegou ao mercado ano em 2015 no PC e recentemente chegou aos consoles PS4 e XOne. Desenvolvido pela Haemimont Games, responsáveis pela renomada franquia Tropico, o título é uma experiência com temática gótica onde magia e fantasia compartilham o mesmo espaço. Somado a uma jogabilidade isométrica, no estilo Diablo, o game é um RPG que tem muito a oferecer aos fãs do gênero.

O jogo se passa numa atmosfera que se assemelha aos séculos XVIII-XIV e é decorado com elementos góticos e fantásticos recorrentes das mitologias e lendas urbanas bastante conhecidas dos RPGs. Na trama, nosso protagonista Victo Vran, que dá nome ao game, está a caminho da cidade de Zagoravia em busca de seu amigo Adrian, porém a cidade está enfestada de demônios e cabe a nosso herói tentar trazer a paz ao local novamente.

O game é recheado com uma grande variedade de equipamentos que vão de armas brancas a armas de fogo, bem como diferentes roupas que podem ajudar a definir o seu tipo de jogo. Como era de se esperar o número de inimigos é elevado e também há diversas espécies e classes para serem derrotadas, como por exemplo, aranhas, caveiras, vampiros e criaturas elementais. Além disso, outro detalhe que chama a atenção é que cada inimigo ataca de um jeito diferente, então é preciso agir de forma estratégica, pois um mesmo esquema pode não funcionar com inimigos diferentes.

As batalhas frenéticas repletas de monstros na tela acontecem de forma agradável (diga-se de passagem o loot é farto), sem decepções nos consoles, são estáveis sem queda de frames ou slowdowns. Victor é bem rápido em seus golpes e não passa por nenhum problema de movimentação do personagem.

O mapa tem um tamanho razoável. Zagoravia é dividida em diversas áreas, que representam seus distritos e cada local tem uma série de objetivos que ao serem finalizados dão recompensas como ouro ou itens. O sistema de evolução é justo e as armas disponíveis tem uma variação mais relevante em poder do que em design. Vale ressaltar que não há classes ou personalização de gênero ou rosto de personagem, pois Victor Vran é o protagonista.

Do ponto de vista gráfico nota-se que o port foi bem fiel mantendo o mesmo nível da versão de PC de 2015. Já o trabalho de arte destaca-se pela identidade que a cidade tem, com belos arranjos, monumentos e detalhes na arquitetura que dão vida ao local, e tudo isso combina muito bem com a trilha sonora do jogo.

RPGs isométricos fizeram fama nos PCs e devido a sua jogabilidade complexa nem sempre chegam aos consoles, por isso Victor Vran destaca-se no mercado e é uma ótima pedida para aqueles que gostam do gênero. A jogabilidade simplificada e bem adaptada aos consoles torna a aventura também agradável e acessível aqueles pioneiros que desejam vivenciar aventuras neste estilo. E quem realmente gostar não precisará esperar para jogar as DLCs, pois elas já estão disponíveis nos consoles.