Share Button

A China é uma potência mundial em vários aspectos. Para começar, o país é um dos mais populosos com cerca e R$ 1,3 bilhão de pessoas. Por outro, sua economia é a mais sólida. Seu potencial econômico só perde para os Estados Unidos. Com isso, não é de se estranhar que os chineses se destaquem em vários setores. Foi o que aconteceu no mercado de games.

No cenário mundial, desde 2007, a indústria de games ultrapassou em faturamento a gigante Hollywood, e neste ano já alcançou mais de 140 bilhões de dólares; dos quais a China deve representar, aproximadamente, 25% (25 bilhões de dólares). E o país não para de crescer.

De acordo com a empresa Nawzoo, especializada em pesquisa do mercado de e-sports, a China tem o maior mercado de games do mundo, na frente dos Estados Unidos e Japão. São aproximadamente 620 milhões de jogadores no país.

Foi na China que os games deixaram de ser apenas uma forma de lazer e se tornar um negócio. O consumo deste mercado cresce absurdamente desde os anos 90, época que começou a receber apoio do próprio governo para promover investimentos na indústria da tecnologia. Os chineses já reconheciam o e-sports como uma prática ligada ao Ministério dos Esportes desde 2003.

Os resultados também apareceram nas competições. Na última temporada, o país foi sede do Mundial de League of Legends e consagrou seu primeiro título com o Invictus. É da China a maior empresa de games do mundo, a Tencent.

Cidade dos esportes eletrônicos

A China deu mais uma prova que é o país dos esportes eletrônicos. O país está inaugurando o Complexo em Hangzhou, no município chinês de mesmo nome, a primeira cidade dos jogos eletrônicos.

Para tirar o sonho do papel foram gastos R$ 1 bilhão em uma área de 17 mil metros quadrados. O local servirá de casa da LGD, equipe de League of Legends (LoL) do país. Até 2022, estão previstas a construção de 13 instalações gamers, que incluirá um hotel temático, hospital, parque de diversões e um centro acadêmico de eSports. Em quatro anos, a China pretende investir R$ 8,5 bilhões. Os organizadores esperam atrair 10 mil aspirantes a jogadores.

A escolha pelo município de Hangzhou para criação do complexo se deve pelo fato da cidade ser sede dos próximos Jogos Asiáticos, que acontece em 2022. Até lá, grande parte do público que consome a modalidade voltará sua atenção para a cidade chinesa. A expectativa é grande para a competição. Será a primeira vez que a modalidade e-sports participa de um evento deste porte no país.

Investimento de grandes marcas

O e-sports só cresce no mundo, principalmente na China. Foi pensando nisso que a Nike fechou seu primeiro contrato com um jogador de esportes eletrônicos, o chinês Jian “Uzi” Zihao, que é considerado o “Neymar” de League of Legends do mundo. A empresa norte-americana de material esportivo ainda deve fechar um acordo com a League of Legends Pro League (LPL – Liga Chinesa de e-sports). A Nike forneceria roupas, acessórios e calçados para os jogadores e representantes da competição. A fórmula seria a mesma implantada na NFL e na NBA.

China é atual campeã dos Jogos Asiáticos

A China é a atual campeã do League of Legends, disputado nos últimos Jogos Asiáticos. A equipe Invictus derrotou a Coreia do Sul por 3 a 1 na decisão e ficou com o título. Atual campeão do Mundialito de LoL pela Royal Never Give Up, o atirador Jian “Uzi” Zihao foi o melhor jogador da série e acabou eleito como MVP em todas as partidas conquistadas pela equipe chinesa. O curioso é que a Coreia do Sul era a grande favorita para a decisão, chegando invicta e ganhando da própria China na primeira fase. O título foi muito comemorado pelos chineses, que esperam repetir a conquista em 2022, desta vez em casa.

Além do League of Legends, outros cinco jogos participaram da estreia do e-sports nos Jogos Asiáticos deste ano. Destaque para o Pro Evolution Soccer, um dos principais games de futebol do mundo e do Starcraft 2. Arena of Valor, Clash Royale e Hearthstone também estiveram presentes na competição. Os Jogos Asiáticos são considerados pelo Comitê Olímpico o segundo maior evento da categoria, ficando atrás apenas da Olimpíada.

Chineses são os melhores do mundo

A China domina o cenário competitivo de LoL. A equipe chinesa Invictus Gaming foi a campeã desta edição do Mundial de LoL após vencer a Fnatic, da Europa, pelo placar de três a zero na melhor de cinco partidas (MD5). Os chineses faturaram o prêmio de US$ 843 mil (cerca de R$ 3 milhões) e o título de Campeão Mundial na Coreia, em novembro.

Os resultados não estão aparecendo do nada. O país investe pesado para ser o melhor nos esportes eletrônicos. Sedes equipadas são construídas com o objetivo de aprimorar seus atletas na busca pela perfeição. A China também duas equipes entre os top 5 de e-sports do mundo. Invictus Gaming e Royal Never Give Up são os melhores times do planeta.

Jian Zi-Hao, a lenda do e-sports

O jogador chinês Jian “Uzi” Zi-Hao é o melhor jogador de League of Legends do mundo na atualidade. Uzi é um jogador da rota inferior, na qual ocupa a posição de atirador. Ele começou sua carreira na equipe da Royal Club, em 2012.

Já em sua primeira temporada, o chinês dava provas de que seria um dos maiores jogadores da história do League of Legends, classificando sua equipe para o “Worlds” (Mundial de LoL). Passaram da fase de grupos e enfrentaram a equipe OMG, seus rivais na liga chinesa, vencendo-os por 2-0 e com direito a uma das jogadas mais emblemáticas de toda a história do competitivo do League por parte do astro.

Em seguida, Uzi, junto de sua equipe, desbancou os europeus da Fnatic nas semifinais, e se classificou para a final, perdendo para a SK Telecom, da Coreia do Sul. Essa foi sua primeira de muitas derrotas internacionais. Mesmo assim, ele continuou tentando e foi aprendendo com as derrotas.

Uzi então se reencontrou com o League of Legends e conquistou seus primeiros títulos já atuando pelo Royal Never Give Up. O ano de 2018 é o melhor ano de sua carreira, principalmente após a conquista do seu primeiro título internacional, o Mid-Season-Invitational. Também conquistou títulos nacionais, sendo o mais recente os Jogos Asiáticos, em que representou a China.