Share Button

Ambientado em um mundo futurista e com claras inspirações em WipeOut e FZero GX, Pacer é um jogo de corrida ambientado num futuro distante, onde máquinas apostam corridas insanas e em alta velocidade.

Desenvolvido pela R8 Games e disponível nas plataformas PC, Xbox One e PlayStation 4, o game apresenta gráficos realistas que criam pelo menos à primeira vista um hype muito grande para se jogar. O problema é que para por aí.

Com uma curva de aprendizado muito alta, o jogo é muito difícil de se jogar.

Existe um tutorial nada intuitivo que tenta miseravelmente te ajudar a se localizar na corrida mas infelizmente não funciona, chegando a ser muito frustrante.

O carro bate muito nas curvas, e não tem um método simples de aprender a virar se você, assim como eu está caindo de paraquedas em um jogo como esse.

Isso esfria bastante a vontade de se aprofundar no jogo, e aprender mais sobre ele já que tudo já começa muito intenso.

Os itens que são usados para acertar seus rivais também são bem confusos, eu não sabia o que fazer com eles ou onde eles se encontravam na tela ou sequer se estava usando pois repito é muita coisa acontecendo ao mesmo tempo na tela e você ainda precisa se concentrar em não ficar batendo nas paredes já que virar nas curvas fechadas e simples mostra-se bem complicado.

Esses pequenos probleminhas causam aos poucos uma dificuldade ao jogador de primeira viagem a boa administração do carro, como levar a corrida, e qual estratégia que usar.

Obviamente essas coisas podem ser corrigidas em futuras atualizações mas julgo um pouco grave se não feito com certa rapidez pois isso pode afastar muitos jogadores sem paciência que adquiram o game pois ele mais irrita que diverte, e isso é muito perigoso pois corre o risco de ficar mofando na biblioteca digital de muitos.

As músicas são bem interessantes, mas longe de deixarem o jogador marcado com uma boa trilha sonora que cative em jogos do gênero, mas isso não é um ponto ruim, existem algumas até muito boas como por exemplo ‘’Concord (Gaudi Remix)”, “Cool Friends” e “Fury’’ mas a grande maioria é muito superficial.

Em compensação, os gráficos de PACER são estonteantes de lindos.

Percebe-se o grande capricho dedicado as fases e o quanto isso foi bem feito e levado em conta em cada pista pela equipe que o desenvolveu, indo desde as construções, pilares e backgrounds ali inseridos tudo foi muito bem colorido e pensado e nos dá a sensação de velocidade quando estamos correndo.

Podemos observar bem isso nos modos que o jogo proporciona.

Eles estão divididos em “Corrida Rápida”, modo tradicional de quem chega primeiro é o vencedor. Temos também o “Provação de Tempo” que é correndo contra o tempo para fazer a melhor lap.

Além disso contamos com os modos “Destruição’’, “Eliminação’’ e “Resistência’’ que porão o jogador à prova, haja visto que são modos que exploram bastante a destruição do rival, o que porá a estratégia do jogador e toda sua capacidade em se manter são e salvo dos danos em cheque.

Mas deixo aqui um destaque para os modos ‘’Tempestade’’ que lembra bastante um Battle Royale e “Flowmentum’’ que faz a velocidade ir aumentando constantemente cada vez que passamos por um portal, o que exige muita coordenação nos controles.

De uma maneira bem geral PACER não chega a ser um jogo ruim.

Exige sim muita paciência e vontade de aprender, mas ainda sim sofre com certa falta de carisma.

Apesar de ter muitos modos ainda nos deixa com a sensação de que apesar de bonito ainda sofre com falta de algo mais que apenas isso.

Conclusão

Se você gosta de jogos difíceis pode explorar bem a mecânica desse jogo, mas se não é tão fã de outros títulos de mesma linha como Wipeout ou F Zero GX desencane, é um jogo dispensável e que talvez não agrade aos marinheiros de primeira viagem por seu grande grau de complexidade.

Prós

  • Muitas opções de modos extras e gráficos estonteantes.
  • É imersivo e te faz ter uma grande sensação de velocidade absurda e frenética.

Contras

  • Jogabilidade pouco intuitiva e difícil de aprender
  • Trilha sonora superficial e uma grande falta de carisma, podendo deixar alguns desanimados depois de alguns minutos de jogatina.

NOTA: 6,0