Share Button

A história dos sapos mais malucos da Rare ganhou um novo capítulo há alguns dias no Xbox.

Quando o inimaginável retorno dos personagens saiu no trailer da E3 2015 muita gente se perguntou se o game seguiria a mesma linha do lançamento dos arcades/videogames noventistas ou se mudariam drasticamente (para pior) como o tão controverso Banjo-Kazooie do Xbox 360.

Para a nossa sorte a fórmula se manteve e ousou mais, inserindo desafios tão legais ou até melhores que os originais.

Com uma das melhores trilhas sonoras que eu já vi na minha vida, Battletoads caprichou e muito nesse quesito.

Os temas são muito variados, mas em geral têm uma boa dose de rock’n’roll que é viciante.

E parece que cada música foi pensada para determinadas fases.

Eu não serei hipócrita em te dizer que é um jogo fácil, na real você vai morrer MUITO jogando, principalmente se for sozinho mas o game é cativante e não nos deixa largar o controle.

E para tal a soundtrack vai servir como um estímulo bom para que você continue até passar de fase (você só entende bem isso quando joga). Parece que cada música foi realmente pensada para determinados momentos e fases e caem como uma luva.

A jogabilidade também é algo único em BT. Você tem os 3 sapos irmãos para escolher, e cada um deles tem um estilo único de pancadaria. 

Os combos também estão animais podendo passar de 100 hits se você souber usar bem o que tiver em campo contra os inimigos. Também é possível trocar os sapos e continuar o combo aumentando-o ou usar o multiplayer local para ir criando novas variações de socos com os amigos podendo chegar ao máximo de 3 pessoas.

As cutscenes/filminhos vão sendo destravadas conforme você avança no jogo, e ainda podemos elevar ainda mais a dificuldade do game (vai por mim, deixa na normal). 

E não para menos, o jogo consegue ser muito insanamente difícil, ao mesmo tempo que é epicamente viciante. 

Fiquei perplexo em saber que ainda existam jogos com esse tipo de fórmula.

Agora alguns pontos que me chatearam: o redesign de alguns personagens.

E não, não estou dizendo que o gráfico é ruim, na verdade é lindo mas a forma como alguns personagens foram descaracterizados é algo decepcionante. 

Para entender melhor o que digo procurem pelo antes e o depois da ‘’Dark Queen’’ por exemplo e como os sapos eram nos jogos antigos. Peitões e músculos com veias saltando nos braços? Não tem mais.

Tudo ficou infantilizado demais, e por mais que isso não seja ruim, às vezes parece que estamos dentro de um desenho da Cartoon Network ou Nickelodeon por exemplo.

Mas o gráfico feito em animação é muito lindo, e sua riqueza de detalhes é descomunal. As vezes é difícil prestar atenção em tudo e procurar as joias da fase com tanta coisa na tela tirando nossa atenção tamanha a beleza dos cenários.

Conclusão

De forma bem conclusiva o game vem com uma roupagem que é usada para atrair uma nova geração, sem perder é claro o foco nos fãs raízes do Mega/SNES/Arcades mantendo sim a essência para que todos passem uma ‘raiva gostosa’ enquanto jogam, talvez a única coisa que decepcione os fãs antigos é apenas o novo visual, mas isso não é algo que te impeça de ter o game. Battletoads é sem dúvida um achado valioso em qualquer biblioteca gamer.

Prós

  • Boa história
  • Excelente trilha sonora
  • Boa jogabilidade

Contras

  • Redesign pode decepcionar alguns fãs

Nota: 9.0