Share Button

O gênero de ação e aventura é repleto de novos lançamentos a cada ano. Em 2019 não foi diferente, e tivemos uma abundância de excelentes novos títulos. Aqui, vamos reconhecer o melhor dos melhores, mencionando nossos indicados para os 10 melhores jogos do gênero este ano.

Death Stranding

“Death Stranding” é um jogo muito incomum, e que não se encaixa muito bem na descrição de nenhum gênero. Mas é justamente por causa de sua natureza única que é tão impressionante. Trazendo um conceito estranho, com bebês engarrafados, esqueletos armados, um óleo escuro cobrindo o chão e um entregador que carrega dezenas de quilos nas costas para tentar reconectar os Estados Unidos. Ele combina a jogabilidade com mecânicas sociais emergentes, que emprestam todo o foco à sua ação. Salve algumas sequências furtivas e outras tensas de terror, é uma história tipicamente maluca, e você terá um dos melhores e mais estranhos jogos do ano.

Luigi’s Mansion 3

“Luigi’s Mansion” sempre teve um charme e apelo inegáveis como uma série. Mas com “Luigi’s Mansion 3” a série levou esses aspectos a alturas maiores do que nunca. Usar o aspirador de pó especial nos combates e para localizar itens escondidos nos cenários é muito divertido. Mas combinando isso com novas mecânicas e ajustes inteligentes, “Luigi’s Mansion 3” é capaz de aprimorar muito o combate, exploração e quebra-cabeça. Também ajuda a usar essas mecânicas de maneiras constantemente inventivas e criativas, com um design de nível verdadeiramente excelente e algumas das melhores lutas contra chefes que vimos o ano todo.

Devil May Cry 5

 

“Devil May Cry” sempre foi mais sobre ação do que aventura, e com “Devil May Cry 5”, essa ação foi melhor do que nunca. O jogo nos dá o controle de três personagens. Você pode jogar com Nero, Dante e V, que se alternam dependendo da missão.  Cada um deles tem um estilo de luta, mecânica e habilidades únicas. A apresentação é fenomenal, animações de tirar o fôlego. Cada cenário de combate é renovado e empolgante, enquanto alguns dos chefões estão entre os melhores que esta série já entregou.

A Plague Tale: Innocence

“A Plague Tale: Innocence” adota uma abordagem muito “The Last Of Us” em sua jogabilidade, pois não é um jogo com muitos sistemas complexos interagindo entre si, mas que consegue encontrar complexidade em sua simplicidade. O jogo chega sem grandes alardes e se torna uma das grandes surpresas do ano, criando uma atmosférica única de horror de quem precisa sobreviver em meio a uma infestação de milhões de ratos e outros perrengues. Desde furtividade ao combate, até a resolução de quebra-cabeças em torno de um jogo único de luz e sombra, e sustentando isso com algumas mecânicas que são constantemente usadas de maneiras novas e interessantes. “A Plague Tale” garante que os jogadores estejam sempre atentos e se divertindo.

Gears 5

“Gears 5” teria sido um jogo bom, mesmo que fosse apenas mais um “Gears of War” – como “Gears 4” -, mas a The Coalition se encarregou de expandir o alvo da série. A capacidade de atualizar o Jack levou a um sistema de progressão surpreendentemente atraente, que também incentivou a exploração à medida que você permanecia atento a mais componentes de atualização. As habilidades de Jack são utilizadas não apenas em combate, mas também para situações bem específicas de progressão, como abrir portas trancadas e energizar laboratórios. Outra adição em “Gears 5” é o mundo semiaberto,nós mesmos é quem vamos na direção dos nossos objetivos.

Astral Chain

“Astral Chain” tem todas as características que geralmente definem um jogo da Platinum, mas ainda parece notavelmente diferente. Sua ação sinérgica cria um sistema de combate verdadeiramente incrível, e usar sua Legião e seu próprio personagem em conjunto para eliminar dezenas de inimigos parece emocionante. Além do combate, a “Astral Chain” também é muito divertida em outras áreas, com um foco muito maior na exploração e na plataforma do que em seus trabalhos anteriores. “Astral Chain” conta com o combate complexo e vários segredos estão escondidos na jogabilidade, com ação intensa do início ao fim.

Resident Evil 2

O remake de “Resident Evil 2” nos entrega uma experiência cheia de referências ao passado, mas muito maior e melhor do que se esperava. A exploração de seus ambientes sempre traz uma sensação palpável de tensão e pavor, e você nunca sabe ao certo o que o espera na próxima esquina. O combate é lento e metódico, e envolve tanto decidir se você deve ou não atacar os inimigos quanto derrubá-los. A jogabilidade resgata muita coisa do jogo original, com uma progressão mais lenta, exploração, coleta de itens e resolução de quebra-cabeças, porém com um novo nível de imersão. É uma montanha-russa emocionante e a Capcom realmente não poderia ter feito mais jus a esse clássico de terror de sobrevivência se tentasse.

Control

A Remedy Entertainment sempre foi mestra em contar histórias, mas com o “Control”, eles mostraram que também são excelentes designers de jogos. A estrela do show é, obviamente, “Antiga Casa”, um mapa bizarro com visões e sons de outro mundo. Explorar esse espaço nunca é monótono, graças não apenas à aparência única e fascinante de cada local, mas também ao quão incrivelmente bem projetado ele é. Usar os poderes telecinéticos de Jesse e suas armas em conjunto leva a alguns tiroteios gloriosamente caóticos. Desvendar os acontecimentos, encontrar easter eggs e se aprofundar nas missões paralelas. Pela primeira vez em muitos anos, parece que um jogo de Remedy é tão bom em contar sua história quanto é divertido de jogar, e é provavelmente por isso que este é o melhor jogo que eles já fizeram.

The Legend of Zelda: Link’s Awakening

“The Legend of Zelda: Link’s Awakening” é um remake muito bem feito de um dos títulos mais amados da franquia, lançado para o Game Boy nos anos 90.  A história, e todos os eventos nela, estão completamente intactos: é um conto incomum contado de maneira encantadora e assustadora, em que Link se perde no mar e aterrissa nas margens da Ilha Koholint antes que uma coruja o envie para abrir um ovo gigante no topo de uma montanha. A Koholint mantém todos os recursos do original. As adições são mínimas. Assim como o título original, essa nova versão conta com toda a liberdade de exploração e muitos segredos escondidos.

Star Wars Jedi: Fallen Order

Combate, exploração e plataforma são os três pilares principais de “Star Wars Jedi: Fallen Order”, e se destacam em cada uma dessas áreas. A plataforma é rápida e agradável e sempre mantém os jogadores em alerta. O combate é lento e metódico, e combinar poderes da Força com ataques perfeitamente cronometrados realmente faz você se sentir como um Jedi. A exploração é envolvente e gratificante, fortalecida pelo excelente design de nível de metroidvania. O jogo consegue abordar as dificuldades com grande equilíbrio. “Fallen Order” é exatamente o tipo de jogo de Star Wars que almejamos há anos.

Sekiro: Shadows Die Twice

“Sekiro” leva o jogador para o Japão feudal, onde ninjas e samurais fazem parte de um cotidiano brutal que contrasta códigos de honra com assassinatos frios pelas costas. Envolvendo memórias, traições e busca por poderes ancestrais. “Sekiro” é cheio de momentos que ficarão com você por muito tempo depois que você terminar o jogo. É incrível, frustrante, horrível, desafiador e fascinante, tudo ao mesmo tempo O que é surpreendente é como, ao mesmo tempo, ele consegue capturar os principais pontos fortes dos jogos “Souls“.  É uma jornada exaustiva do começo ao fim, mas a sensação de vitória e satisfação que você sente após superar cada obstáculo é incrivelmente satisfatória.