Share Button

– Dance e cante como o eterno ídolo Michael Jackson –

Produzido pela Ubisoft, a mesma do famoso game musical “Just Dance”, chega ao mercado “Michael Jackson: The Experience”, que traz como proposta permitir ao jogador imitar os passos de dança do lendário Rei do Pop. O jogo foi lançado em 2010 para Wii, Nintendo DS e PSP, e posteriormente chegou ao PlayStation 3 e Xbox 360. Eu tive a chance de jogar as três versões (Wii em casa, PS3 e X360 em uma loja de games) e vou tentar passar aqui as minhas impressões sobre as três versões.

Vamos começar pelos gráficos e visuais, que são bem parecidos nas versões de Wii e PS3 (a do Kinect é mais arrojado) e lembram bastante o estilo usado no visual da série “Just Dance”, porém com um nível de detalhes maiores, especialmente nos cenários ao fundo, que são inspirados nos antológicos clipes de Michael. Claro que o visual não é o grande destaque do game, e está longe de usar todo o potencial das máquinas, estamos falando de um jogo musical, que usa e abusa de efeitos de luzes, cores e sombras. A versão para Wii é a mais simples, mas mesmo assim o Michael virtual e seus dançarinos são muito bem representados de forma estilizada na tela, com coreografias dinâmicas e bem fluídas. A Ubisoft fez bem o seu trabalho de casa, e pesquisou todos os clipes do astro para fazer a customização dos cenários virtuais, com alguns até variando de visual durante a música, o que deixa o jogo ainda mais legal e com certeza um efeito que vai agradar em cheio aos fãs.

Michael sem rosto na versão para Wii

Outro ponto em comum são as músicas, com os grandes sucessos do artista presentes em todas as versões, com canções clássicas como Beat it, Billie Jean, Bad, Black or White, Smooth Criminal, Thriller, entre quase 30 opções. Algumas canções não tão conhecidas, como Stranger in Moscow e Blood on the Dance Floor são exclusivas para o PS3 e X360.

É claro que o grande diferencial entre as versões está em sua mecânica de jogo, a interação do jogador com os movimentos e coreografias das músicas. As versões de Wii e PS3 são bem parecidas, cada uma usando seus controles de movimentos, o Wii Remote e o PS Move respectivamente.

também para Wii, não tente fazer esse movimento que não vai acabar bem

Os princípios do jogo são simples: Segure o controle e siga os comandos que aparecem ao lado da tela, que mostra o movimento que o jogador-dançarino deve realizar. O grande problema aqui, em ambas as versões, é que esses comandos por vezes são bem confusos ou então não aparecem na tela, fazendo com que o gamer tenha que se basear nos movimentos de Michael ou dos dançarinos na tela (é possível escolher dançar como Michael Jackson, com coreografias mais complicadas, ou como os dançarinos, um pouco mais fácil). E claro, Michael Jackson só existiu um, então fica BEEMM difícil você tentar arriscar uns passos por conta própria, a não ser que você tenha uma boa memória para lembrar a coreografia.

É possível trapacear e ficar sentadinho no sofá e mover apenas o controle, seguindo os comandos, mas claro, perde toda a graça, afinal, é um jogo de dança. E para dançar você tem que ser bem desinibido (ou jogar sozinho) pois certamente corre risco de pagar alguns micos na frente dos colegas (mas aí é que está toda a graça). Jogar isso numa festa depois que o pessoal já bebeu algumas então? Coloca Thriller para tocar e prepare-se para ver um verdadeiro show de horrores de seus colegas em sua sala (é cada um fazendo movimentos diferentes). A Versão de PlayStation 3 oferece suporte ao microfone, para cantar as músicas enquanto dança, coisa que não existe no Wii, porém ambas as versões tem suporte para até quatro jogadores. O nível de precisão dos comandos dos controles para o jogo não é dos melhores, pois não raras vezes parece que o jogo não os detecta de forma correta e pune injustamente o jogador com pontuações mais baixas, ou até nulas. Mas de forma geral, é bastante divertido e reproduz fielmente as danças originais do músico (mas algumas músicas são bem chatas de se “dançar”, especialmente as lentas como a Heal the World).

versão para PlayStation 3

Já a versão para Kinect oferece uma “experiência” bem mais ampla ao dançar como o Rei do Pop, sendo necessário utilizar realmente movimentos de todo o corpo (e não apenas o controle) o que permite uma interpretação mais fiel às performances de Michael Jackson.

Usando o sensor de voz é possível cantar, dançar ou fazer ambos, como na versão para PlayStation 3. Se você é fã de Michael e conhece todas as músicas, manda bala. Aos novatos recomendo ir devagar, ou se você gosta de desafios, tente dançar e cantar ao mesmo tempo, porém a música é dividida em seções que se alternam entre coreografias e voz, o que quebra um pouco o ritmo (algumas músicas como a lenta Heal the World oferecem apenas modo karaokê, o que faz bastante sentido, já que não há muita dança).

o jogo permite duetos, também para PlayStation 3

Com o Kinect, cada parte do corpo faz diferença, movimentando a cabeça, braços, pernas, quadris, oferecendo uma imersão muito grande, e consequentemente, um nível de dificuldade bastante elevada, afinal, se você não for um expert em danças, isso ficará bem óbvio através do Kinect (nada de trapaças aqui). Para ajudar há um modo de treino que ajuda a facilitar as coisas. Mas assim como as outras versões, seguir as dicas de movimento do lado da tela não é fácil, são confusos e nesta versão mais do que nas outras, é necessário dançar com uma certa graça e elegância e assumir realmente o papel de Michael Jackson. A versão de Kinect também parece sofrer com uma falta de precisão nos movimentos do corpo para a tela, que não são tão precisos como era de se esperar, e por vezes pode ser bem frustrante.

O Kinect oferece um modo multiplayer bem interessante e é onde o jogo realmente brilha, sendo possível dividir a diversão com a galera (ver outros além de você pagando mico sempre é divertido). Até quatro jogadores podem se juntar em uma performance, revezando-se durante a música (é impossível todos jogarem ao mesmo tempo). A escolha dos jogadores é feita aleatoriamente em partes de danças ou de canto, e é extremamente divertido. Há também um modo de batalha, mas não chega a ser tão divertido quanto o cooperativo.

versão para Kinect deixa o Michael de lado e coloca o jogador dentro do game

Outra coisa muito legal no Kinect é a captura da imagem do jogador pela câmera do aparelho, fazendo aparecer na tela da televisão e tornando a experiência de dança ainda mais impressionante. Os gráficos e visuais no Kinect estão mais elaborados (porém alguns cenários são bem fraquinhos ou escuros demais), com um palco feito em 3D e uma multidão que vibra quando você consegue boas performances. Porém todo esse efeito é comprometido pelos famosos lags (demora dos movimentos do jogador para a tela) da projeção 3D, o que dificulta a sua dança e a sincronização com os dançarinos assistentes na tela, e você acaba parecendo um péssimo dançarino. Outra coisa que pode incomodar é o excesso de efeitos de luzes e cores em sua projeção na televisão. Por vezes fica tudo tão brilhante e iluminado que fica difícil enxergar você mesmo na tela.

Também senti falta de extras em todas as versões. Podia existir um modo carreira, começando desde a infância de Michael no grupo com seus irmãos no Jacksons 5, terminando por exemplo com This Is It, música lançada após sua morte para o filme de mesmo nome. Poderia haver vídeos clipes, um arquivo histórico com a história e fatos curiosos sobre Michael Jackson, para deixar a “experiência” ainda mais completa.

infelizmente todas as versões sofrem de lag e movimentos confusos na tela

Confira nossas outras análises de jogos do King of Pop:

. Michael Jackson’s Moonwalker – Arcade

. Michael Jackson’s Moonwalker – Mega Drive