Curiosidades

10 diferenças do Final Fantasy Pixel Remaster e os games originais

Os games são iguais... ou quase!

Os jogos de Final Fantasy volta e meia recebem remakes, relançamentos, reimaginações e remasterizações, sendo tantas oportunidades de jogar um mesmo game que chegamos a fazer uma lista sobre qual melhor versão de cada um dos jogos lançados. Agora, o Final Fantasy Pixel Remaster procura refazer os seis primeiros jogos da série em 2D, porém sendo o mais próximo o possível dos originais, tanto na tradução da história quanto na jogabilidade. No entanto, também remove alguns sistemas mais antiquados que atrapalham a fluidez da aventura.

Gráficos novos ao estilo antigo

A Square-Enix apostou desta vez em gráficos semelhantes ao do Super Nintendo, com direito aquelas pixel arts antigas que são bem icônicas e marcou uma geração de jogadores, mas com um toque de modernidade. Então você verá efeitos de distorção de calor, luzes, e outros efeitos modernos, mas com gráficos bem ao estilo SNES. Para alcançarem algo bem próximo daquela época, a desenvolvedora contratou o artista Kazuko Shibuya, que trabalhou nos lançamentos originais. Todos os gráficos foram reconstruídos “do zero”.

2. Músicas reimaginadas

Elas não foram aproveitadas de outros relançamentos e, portanto, temos novas roupagens dos clássicos da série. Os 3 jogos do Nintendinho já contavam com músicas memoráveis mesmo dentro de um hardware tão limitado, graças as composições geniais de Nobuo Uematsu. Felizmente, o lendário compositor supervisionou as reconstruções de suas faixas.

3. Não há o cheat da Peninsula no primeiro Final Fantasy

No jogo original, a península ao nordeste de Pravoka tinha uns monstros bem fortes que davam muitos pontos de experiência em um momento bem inicial do jogo. Isso foi corrigido e agora os jogadores terão de evoluir do modo mais tradicional.

4. Movimentação diagonal

Um detalhe bobo, mas que faz diferença, é que agora os personagens podem andar em oito direções.

5. Ataques não são mais desperdiçados

Nos dois primeiros jogos de Final Fantasy, caso você mandasse atacar um mesmo inimigo e ele morresse, os outros ataques sempre davam “miss” e você perdia o turno. Esse sistema foi corrigido no terceiro episódio e repetido nos seguintes, onde o personagem passa a atacar aleatoriamente outro inimigo, e agora os dois primeiros games também funcionam desse jeito.

6. Pontos de Capacidade do Final Fantasy III para trocar de profissão foram removidos

No jogo original, era necessário ter um determinados número de pontos de capacidade para trocar as profissões, o que deixava o jogo burocrático e atrapalhava o ritmo de aventura. Em Pixel Perfect, o jogador pode trocar a hora que quiser, se assemelhando ao Final Fantasy V.

7. A mulher invisível de Cornelia não existe mais

No primeiro game, era possível conversar com uma mulher invisível no castelo de Cornelia, provavelmente sendo um erro de programação. No Pixel Remaster, ela foi removida.

8. A fonte pode ser mudada

Uma das coisas que mais incomodou os fãs foi de que a fonte usada para mostrar os textos deixava um espaço branco enorme com letras pequenas, sendo mais uma herança da época 8 e 16 bits da série. No entanto, alguns fãs já criaram formas de corrigir isso e deixar os textos maiores e melhores.

9. O jogo tem mapas

No canto superior direito da tela há mapas para você não se perder e mostrar exatamente a sua localização. No entanto, aqueles que não quiserem um mapa para terem uma experiência ainda mais próxima do original, podem desativá-lo.

10. Salvamento rápido

Os JRPGs antigos tinham pontos de save que muitas vezes eram frustrantes, já que ficavam em um ponto muito distante da onde você tinha chegado, e o mesmo vale para os games de Final Fantasy. Em Pixel Remaster, eles adicionaram uma função de Quick Save para salvar aonde quiser.

Artigo original: The Gamer

Artigos relacionados