Share Button
Divulgação
Divulgação

Quando “Ni no Kuni: Wrath of the White Witch” foi lançado em 2011, o jogo deixou a comunidade gamer impressionada pela qualidade gráfica. Mesmo chegando ao ocidente dois anos depois, o título ainda impressionou pela sua beleza, mostrando que o PS3 era uma plataforma que, mesmo no fim de seu ciclo, podia surpreender os jogadores. Agora em 2019 o game retorna no Nintendo Switch e remasterizado no PC e PS4.

Animação e cenas in game se confundem, graças a qualidade do jogo.

Em Ni no Kuni você assume o papel de Oliver, um garoto de 13 anos que, após perder sua mãe, embarca numa aventura rumo a outro mundo, sendo guiado por uma fada, na busca por uma grande feiticeira capaz de restabelecer o elo de sua mãe com a vida. O que Oliver não imagina é que ele é o herói prometido, destinado a encarar desafios ainda maiores do que este.

O cenário em mundo aberto está mais bonito e com cores vívidas.

A primeira coisa que os jogadores precisam saber é que “Ni no Kuni Remastered” é um jogo fiel a versão original, ou seja, é um port atualizado do jogo de 2011, sem novidades, porém com grandes melhorias. No PS4, o game roda a 1080p, já no PS4 Pro é possível jogar a 4K/30fps ou 1440p/60fps.

O jogo está mais fluido e ligeiramente mais rápido do que a versão original de PS3. Este ajuste de desempenho é percebido ao carregar um novo mapa, ao caminhar em ambientes internos que não se permite correr e ao carregar as animações. A resolução superior também acabou com serrilhados que existiam no mapa aberto. Além disso, as cores do game e as animações estão mais nítidas.

Para os novatos na franquia, aqui vão algumas informações sobre o gameplay. “Ni no Kuni” é um JRPG de ação com batalhas de turno em tempo real. Isso significa que tanto jogador quanto adversário são livres para caminhar no cenário de batalha e atacam quando bem entenderem. Entretanto, ao executar uma ação, é necessário esperar alguns segundos para fazer outro movimento.

Você não joga sozinho. Ao longo da jornada, Oliver encontra criaturas conhecidas como Familiars. Cada um destes summons tem habilidades específicas e evoluem junto com o protagonista nas batalhas, mesmo que não tenham participado da luta.

Familiars ajudam a equilibrar as lutas.

A evocação desses Familiars tem um tempo cronometrado, por isso é necessário ficar de olho na barra de energia das criaturas e trocá-las na hora certa, para que ela se encha novamente. No começo do game este é um ponto muito complexo, mas ao longo da jornada as coisas vão ficando mais fáceis.

Infelizmente, o game não recebeu legendas em português.

Assim como a maioria do JRPGs, a história começa bem devagar e existem muitos diálogos, e infelizmente o game não veio com legendas em português. Embora isso dificulte a compreensão da história se você não domina este idioma, não interfere na execução dos objetivos, uma vez que o jogador é sempre guiado por uma estrela no mapa indicando o que deve ser feito.

Conclusão

“Ni no Kuni” é uma das mais cativantes jornadas do herói que passou pelos videogames nos últimos anos. Além de uma bela história, a parceria com o Studio Ghibli dá ao jogo um traço único, com beleza em cada detalhe. A trilha sonora de Joe Hisaishi acompanha o ritmo do jogo, complementando o universo diferenciado e especial deste JRPG, que embora seja recente, já é visto com um clássico pelos fãs do gênero. Para quem jogou no passado, é a chance de reviver uma linda história. Já para os marinheiros de primeira viagem, esta é a oportunidade de conhecer o jogo na sua melhor forma.

Prós

  • Batalhas dinâmicas
  • Variação de combate permite montar estratégias diferentes
  • História cativante e personagens carismáticos
  • Melhorias gráficas consideráveis

Contras

  • Alguns diálogos são extensos e desnecessários, pois não acrescentam nada na história ou lore do game.
  • Ausência de legendas em português.

Nota – 9

Uma cópia do jogo para PS4 foi fornecida pela Bandai Namco para elaboração desta análise