Share Button

Quando falamos em nomes importantes para histórias dos videogames, Atari é um dos que vêm à mente, em questão de segundos. Afinal, a empresa americana teve uma contribuição muito importante para essa indústria e se posicionou como a grande precursora desse mundo maravilhoso que temos hoje.

Sendo assim, em tom de homenagem e com uma boa dose de informações históricas, a GameHall resolveu criar este post para lembrar da Atari e da “pré-história” dos games. Então, não deixe de conferir até o fim, pois iremos reviver o passado em toda a sua glória e esplendor. Vamos começar?

A fase Pré-Atari…

Apesar de ter agido como uma espécie de divisor de águas, a Atari não foi a responsável pelos primeiros jogos interativos. Conforme conta a história, tudo começou na década de 1950, quando pesquisadores de outras áreas passaram a criar jogos e simuladores para determinados fins relacionados às suas pesquisas.

Durante essa época, alguns jogos foram criados, com destaque para “Bertie the Brain” (considerado o primeiro jogo da história) e “Tennis for Two“. Ambos os games eram máquinas monstruosas que faziam muito pouco (um era um jogo da velha e o outro uma partida de tênis bem limitada), mas que, para a época, era muito.

Quando chegamos na década de 1960, “SpaceWar!“, um jogo de “navinha” foi criado. Esse foi o primeiro título a ser criado com o intuito único de promover a diversão. Muito provavelmente, foi essa game que deu início à indústria dos games, já que ele passou a ser distribuído em uma escala nacional. “Space War!” serviu de inspiração para todos que vieram após ele.

Na década de 1970, a “década da Atari”, as coisas na indústria dos games começaram a mudar de verdade. Em 1972, o Odissey 100 foi lançado pela Magnavox e esse foi o primeiro console da história dos games. No mesmo ano, a Atari nasceu

A era da Atari

Fundada em 1972, por Nolan Bushnell e Ted Dabney, a Atari já começou a sua história a todo vapor. Bushnell já havia conquistado uma grande reputação ao criar o primeiro arcade do mundo (Computer Space), uma máquina feita para jogar o game “Spacewar!”.

 

Um ano depois, a Atari cria o jogo “Pong“, o primeiro grande fenômeno da indústria dos games. Como o nome sugere, “Pong” era um jogo de arcade que simulava uma partida de tênis de mesa (Ping-Pong). Na época, o sucesso do game foi tão grande que várias empresas lançaram réplicas do game e a própria Ataria foi acusada de infringir algumas patentes que pertenciam à Magnavox.

 

Enquanto as disputas se desenrolavam, a Atari começou a contatar outras empresas do ramo, como a Namco. Obviamente, a intenção era evoluir ainda mais. E foi isso o que aconteceu… Em 1977, o Atari 2600 foi lançado.

Batizado como Atari Video Computer System, o Atari 2600 (nome que acabou ganhando maior notoriedade) foi outro fenômeno. O aparelho foi o primeiro console programável, com cartuchos, lançado pela Atari.

O Atari 2600 fez muito sucesso no Brasil durante a década de 1980 e muitos dos seus jogos se tornaram lendas. O jogo “Adventure“, por exemplo, foi o responsável pela introdução dos famosos “easter eggs” na indústria dos games.

A competição contra a Atari ficou acirrada…

A troca de conhecimentos entre Atari e Namco acabou ajudando a empresa japonesa a desenvolver o lendário “Space Invaders” e a assumir o topo do ranking de jogos famosos. Enquanto isso acontecia, Bushnell se mostrava uma pessoa difícil de lidar. Isso o fez abandonar a Atari e criar outra empresa, firmando um contrato que não permitia que a Atari competisse com a empresa de Bushnell por cinco anos.

Aos poucos, outras empresas, como a Taito e a SEGA, começaram a desenvolver novos consoles. A entrada na década de 1980 deixou a competição entre as empresas ainda mais acirrada. Nessa época, o Atari 2600 atingiu o seu auge e contava com uma série de jogos que foram sucessos de venda.

No entanto, mesmo com o sucesso, muitos profissionais competentes começaram a deixar a Atari. Muitos desses profissionais criaram empresas que dominam o mundo dos games nos dias de hoje, como a Activision.

No meio da década de 1980, lendas, como o jogo “Pac-Man” e “Donkey-Kong“, começaram a fazer sucesso. E claro, esses jogos foram convertidos para o Atari, rendendo uma boa grana para a empresa. Todavia, ao mesmo tempo que a Atari fazia grandes negócios, ela também acumulava investimentos ruins e muitos fracassos.

A queda da Atari

Já na década de 1980, mesmo com o grande sucesso do Atari 2600, a empresa americana estava sofrendo com seus investimentos ruins. Suas aventuras no mundo dos computadores, com o Atari 400 e o Atari 800 (que até venderam bem em alguns lugares) não foram um sucesso fenomenal.

Em 1982, a Atari lançou o sucessor do Atari 2600. Entretanto, embora fosse um console melhor, o Atari 5200 apresentava diversos problemas, um controle terrível e a incompatibilidade com os jogos do “console anterior”. Depois disso, uma série de erros e contratos não cumpridos levou a Atari a ser dividida.

Aquilo que sobrou da Atari ainda tentou se reerguer, mas o Atari 7800 chegou e falhou. Na sequência, o Lynx, um console portátil, também foi um fracasso. Assim, em uma última tentativa, a Atari lançou o Jaguar… o console foi obliterado pelo PS1, pelo Nintendo 64 e, até mesmo, pelo Sega Saturn.

E foi o fim do domínio da Atari…

A Atari foi realmente uma das empresas mais importantes da indústria dos games. Enquanto alcançava o topo, a empresa foi movimentando o mercado e forçando todas as empresas a evoluírem. Nesse contexto, empresas como a Nintendo, a SEGA, a Namco e a Activision conseguiram dar voos muito mais altos do que a Atari.

De todo modo, é inegável que, mesmo tendo quase sumido do mapa, a Atari é uma empresa altamente respeitada. Hoje, ela sobrevive nas sombras de toda a sua grandeza, mas os games que temos hoje devem muito a ela. Então, obrigado Atari, pela sua contribuição ao universo dos games. Até mais!